terça-feira, 30 de abril de 2013

Leitura de Clássicos - Aula de apresentação


Leitura de Clássicos - Aula de apresentação
Luiz Gonzaga de Carvalho

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Conheça a história do campo de concentração soviético Gulag




Publicado em 24/08/2012
Na entrevista Anne Applebaum fala do livro GULAG -
Uma História dos Campos de Prisioneiros Soviéticos, ganhador do Prêmio Pulitzer 2004 Não-Ficção. Leia:http://www.libertarianismo.org/livros...

"Quanto mais formos capazes de entender como as diferentes sociedades transformaram seu próximo e seu semelhante em objetos quanto mais conhecermos as circunstâncias específicas que orientaram cada episódio de tortura e execução em massa, mais entenderemos o lado sombrio de nossa natureza humana. Este livro não foi escrito para que "a história não se repita", como diz um velho clichê. Este livro foi escrito porque é quase certo que a história se repetirá. As filosofias totalitaristas tiveram, e continuarão a ter, um grande apelo sobre milhões de pessoas. A destruição do "inimigo impessoal", como Hannah Arendt disse certa vez, continua sendo um objetivo fundamental de muitas ditaduras. Precisamos saber por quê - e todas as histórias, todas as memórias, todos os documentos da história do Gulag são uma parte do quebra-cabeça, uma parte da explicação. Sem eles, vamos acordar um dia e perceber que não sabemos quem somos."


Obrigado pela visita, volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Pr. Silas Malafaia Faz Graves Denúncias e Convoca o Povo - 27/04/2013




Obrigado pela visita, volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

A difícil realidade da economia brasileira



O editorial de hoje do Estadão (http://www.estadao.com.br/noticias/im...) faz uma análise bastante dura da situação da economia brasileira atual, sobretudo do ângulo das contas externas. O editorialista ridicularizou o Ministério da Fazenda, por ter feito relatório otimista contra os próprios números que estava analisando e publicando. O princípio de realidade está se imponto às loucuras da política econômica do PT, que finge não existir limites para a ação do Estado. Visivelmente o Brasil está vivendo além das suas posses. E isso terá que ser corrigido.

Obrigado pela visita, volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

domingo, 28 de abril de 2013

Blog o Santo Nome: Metáfora, O verdadeiro culpado. Alumas reflexões por João Maria.



Blog o Santo Nome: Metáfora, O verdadeiro culpado. Alumas reflexões por João Maria.

http://osantonome.blogspot.com.br/2011/11/o-verdadeiro-culpado.html

http://www.metaforas.com.br/


Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

O novo imbecil coletivo Detalhes Publicado em Terça, 30 Outubro 2012 19:07 Escrito por Olavo de Carvalho



O novo imbecil coletivo


Quando entre os anos 80 e 90 comecei a redigir as notas que viriam a compor O Imbecil Coletivo, os personagens a que ali me referia eram indivíduos inteligentes, razoavelmente cultos, apenas corrompidos pela autointoxicação ideológica e por um corporativismo de partido que, alçando-os a posições muito superiores aos seus méritos, deformavam completamente sua visão do universo e de si mesmos. Foi por isso que os defini como "um grupo de pessoas de inteligência normal ou mesmo superior que se reúnem com a finalidade de imbecilizar-se umas às outras".
 
Essa definição já não se aplica aos novos tagarelas e opinadores, que atuam sobretudo através da internet e que hoje estão entre os vinte e os quarenta anos de idade. Tal como seus antecessores, são pessoas de inteligência normal ou superior separadas do pleno uso de seus dons pela intervenção de forças sociais e culturais. A diferença é que essas forças os atacaram numa idade mais tenra e já não são bem as mesmas que lesaram os seus antecessores.
 
Até os anos 70, os brasileiros recebiam no primário e no ginásio uma educação normal, deficiente o quanto fosse. Só vinham a corromper-se quando chegavam à universidade e, em vez de uma abertura efetiva para o mundo da alta cultura, recebiam doses maciças de doutrinação comunista, oferecida sob o pretexto, àquela altura bastante verossímil, da luta pela restauração das liberdades democráticas. 
 
A pressão do ambiente, a imposição do vocabulário e o controle altamente seletivo dos temas e da bibliografia faziam com que a aquisição do status de brasileiro culto se identificasse, na mente de cada estudante, com a absorção do estilo esquerdista de pensar, de sentir e de ser – na verdade, nada mais que um conjunto de cacoetes mentais.
 
O trabalho dos professores-doutrinadores era complementado pela grande mídia, que, então já amplamente dominada por ativistas e simpatizantes de esquerda, envolvia os intelectuais e artistas de sua preferência ideológica numa aura de prestígio sublime, ao mesmo tempo que jogava na lata de lixo do esquecimento os escritores e pensadores considerados inconvenientes, exceto quando podia explorá-los como exceções que por sua própria raridade e exotismo confirmavam a regra.
 
Criada e mantida pelas universidades, pelo movimento editorial e pela mídia impressa, a atmosfera de imbecilização ideológica era, por assim dizer, um produto de luxo, só acessível às classes média e alta, deixando intacta a massa popular.
 
A partir dos anos 80, a elite esquerdista tomou posse da educação pública, aí introduzindo o sistema de alfabetização "socioconstrutivista", concebido por pedagogos esquerdistas como Emilia Ferrero, Lev Vigotsky e Paulo Freire para implantar na mente infantil as estruturas cognitivas aptas a preparar o desenvolvimento mais ou menos espontâneo de uma cosmovisão socialista, praticamente sem necessidade de "doutrinação" explícita.
 
 Do ponto de vista do aprendizado, do rendimento escolar dos alunos, e sobretudo da alfabetização, os resultados foram catastróficos.
 
Não há espaço aqui para explicar a coisa toda, mas, em resumidas contas, é o seguinte. Todo idioma compõe-se de uma parte mais ou menos fechada, estável e mecânica – o alfabeto, a ortografia, a lista de fonemas e suas combinações, as regras básicas da morfologia e da sintaxe – e de uma parte aberta, movente e fluida: o universo inteiro dos significados, dos valores, das nuances e das intenções de discurso. 
 
A primeira aprende-se eminentemente por memorização e exercícios repetitivos. A segunda, pelo auto-enriquecimento intelectual permanente, pelo acesso aos bens de alta cultura, pelo uso da inteligência comparativa, crítica e analítica e, last not least, pelo exercício das habilidades pessoais de comunicação e expressão. Sem o domínio adequado da primeira parte, é impossível orientar-se na segunda. Seria como saltar e dançar antes de ter aprendido a andar. 
 
É exatamente essa inversão que o socioconstrutivismo impõe aos alunos, pretendendo que participem ativamente – e até criativamente – do "universo da cultura" antes de ter os instrumentos de base necessários à articulação verbal de seus pensamentos, percepções e estados interiores.
 
O socioconstrutivismo mistura a alfabetização com a aquisição de conteúdos, com a socialização e até com o exercício da reflexão crítica, tornando o processo enormemente complicado e, no caminho, negligenciando a aquisição das habilidades fonético-silábicas elementares  sem as quais ninguém pode chegar a um domínio suficiente da linguagem.       
O produto dessa monstruosidade pedagógica são estudantes que chegam ao mestrado e ao doutorado sem conhecimentos mínimos de ortografia e com uma reduzida capacidade de articular experiência e linguagem. 
 
Na universidade aprendem a macaquear o jargão de uma ou várias especialidades acadêmicas que, na falta de um domínio razoável da língua geral e literária, compreendem de maneira coisificada, quase fetichista, permanecendo quase sempre insensíveis às nuances de sentido e incapazes de apreender, na prática, a diferença entre um conceito e uma figura de linguagem. Em geral não têm sequer o senso da "forma", seja no que leem, seja no que escrevem.
 
Aplicado em escala nacional, o socioconstrutivismo resultou numa espetacular democratização da inépcia, que hoje se distribui mais ou menos equitativamente entre todos os jovens brasileiros estudantes ou diplomados, sem distinções de credo ou de ideologia. O novo imbecil coletivo, ao contrário do antigo, não tem carteirinha de partido. 
 
Olavo de Carvalho é ensaísta, jornalista e professor de Filosofia


http://www.dcomercio.com.br/index.php/opiniao/sub-menu-opiniao/98688-o-novo-imbecil-coletivo

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

TPLINK Como Configurar o Roteador TL-WR1043ND com Virtua / SPEEDY - www.professorramos.com - Básica




Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

sábado, 27 de abril de 2013

Códigos Mortais.COMPLETO DUBLADO




SINOPSE: Para prender a ativista Maria Von Gall, que com muita coragem se esforça para ajudar judeus a escaparem das garras do Nazismo na França, a SS seqüestra seu filho Thomas, um brilhante garoto de 11 anos de idade, mestre em xadrez. Depois de ver a mãe ser assassinada pelos alemães, o menino é resgatado pelo pai americano, que ele nunca havia conhecido, e ambos fogem para a Espanha. Mas Maria havia contado a Thomas um precioso segredo, que agora pode mais do que nunca colar a vida de pai e filho em risco.


Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Refém. Dublado Completo




Kyle (Nicolas Cage) e Sarah (Nicole Kidman) são casados e vivem em uma elegante e confortável casa ao lado da filha, Avery (Liana Liberato). A vida deles segue sem problemas, até a casa ser invadida e o trio ser mantido refém por criminosos. A família se une para combatê-los, mas isto significa revelar alguns segredos



Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

A tentação totalitária



Os jornais noticiaram por esses dias que há um choque entre os três poderes, que poderia ser indício de crise institucional. Nada mais falso. Hoje há perfeita harmonia política e ideológica nas pessoa que comandam os três poderes. Se há dissenso é porque interesses específicos foram contrariados e aí a veia totalitária emerge com força. Exemplo disso é o caso do mensalão. Os apenados se acham revolucionários e acima da lei e por isso dizem que sofreram injustiça, pois não tomaram o poder para ter as leis do Estado contra eles.

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Drª Damares Alves Alerta: Querem Destruir nossas Crianças !



Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Percival Puggina (Completo): 'Fórum Temático Social' no Conversas Cruzadas




Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Debate: "Fé x Agnósticos". Versão Completa



Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

TV ALERGS entrevista Percival Puggina



Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Péssimo Exemplo e Falta de Moral do Governo Dilma



Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Lei de Godwin e a banalização do nazismo



Existe um conceito conhecido como "Lei de Godwin", o qual diz que "à medida que cresce uma discussão online, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou nazismo aproxima-se de um (100%)". A idéia foi elaborada em 1990 por Mike Godwin, um advogado americano que observou um certo comportamento padronizado na rede, o qual acabava por desenvolver um círculo vicioso em que discussões sobre política e religião, principalmente, caíam sempre no mesmo lugar-comum das comparações com o nazismo (ou com Adolf Hitler, em si) e fascismo.

Eu ousaria dizer que esse tipo de lógica se estenderia mesmo para as discussões fora do âmbito virtual, já que a rede é uma extensão de nós mesmos (seguindo a lógica Understanding Media de McLuhan). Portanto, é bem provável que os debatedores que chegassem à essa conclusão num fórum ou numa lista de discussão também o fariam se frente-a-frente com outros interlocutores.

Antes de dizer o que gostaria de ressaltar nesse tema, irei reproduzir a minha tradução do texto de Mike Godwin, de 1994, publicado no site da revista Wired, chamado "Meme, Counter-meme":


Era 1990 quando iniciei um projeto de engenharia memética. Decidi que o meme da comparação nazista tinha se espalhado em incontáveis grupos da Usenet, em muitas conferências no Well e em todos os BBS que eu frequentava. Participantes ou idéias sendo tidos como "similares aos nazistas" ou "ao estilo de Hitler" eram um evento recorrente e previsível. Era o tipo de coisa que fazia você pensar como debates sempre ocorreram sem um martelo retórico.
Nem todo mundo via a comparação aos nazistas como um "meme" - a maioria das pessoas na rede, assim como em qualquer outro lugar, nunca havia ouvido falar sobre "memes" ou "memética". Mas agora que nós estamos vivendo em uma crescente cultura da informação, é tempo para que isso mude. E é tempo para que os usuários da rede façam um esforço consciente em controlar o tipo de memes que eles criam ou circulam.
Um "meme", obviamente, é uma idéia que funciona de uma maneira muito parecida como um gene ou um vírus age no corpo. E uma idéia infecciosa (chame isso de "meme viral") pode saltar de uma mente para a outra, assim como muitos vírus saltam de um corpo para outro.
Quando um meme faz isso, ele pode cristalizar toda uma escola de pensamentos. Pegue o meme do "buraco negro", por exemplo. Assim como o físico Brandon Carter comentou no livro A Brief History of Time: A Reader's Companion, de Stephen Hawkings: "As coisas mudaram dramaticamente quando John Wheeler inventou o termo [buraco negro]... Todos o adotaram, e desde então, pessoas ao redor do mundo, em Moscou, na América, na Inglaterra e em todo lugar podiam saber que estavam falando da mesma coisa". Uma vez que o meme do "buraco negro" se tornou um lugar-comum, ele se transformou em uma fonte útil de metáforas para tudo, desde o analfabetismo ao deficit.
Em 1990, eu percebi algo similar acontecendo com o meme da comparação nazista. Obviamente, há temas óbvios nos quais essa comparação é recorrida. Em discussões sobre armas e sobre a Segunda Emenda, por exemplo, os defensores do controle de armas são periodicamente lembrados de que Hitler baniu o porte de armas pessoais. E os debates sobre controle de natalidade são frequentemente marcados pela insistência dos pró-vida, que dizem que aqueles que são a favor do aborto estão defendendo um assassinato em massa pior do que os nazistas fizeram nos campos de concentração. E em qualquer grupo de discussão no qual a censura é discutida, alguém inevitavelmente levanta o espectro da queima de livros cometida pelos nazistas.
Mas o meme da comparação nazista pululou em outros casos também - em discussões gerais sobre leis no misc.legal, por exemplo, ou na conferência EFF no Well. Libertários ferrenhos estavam prontos para rotular qualquer regulamentação governamental como um princípio nazista. Era uma trivialização que eu achei tão ilógica (Michael Dukakis como um nazista? Por favor!) quanto ofensiva (as milhares de vítimas dos campos de concentração não morreram para se tornar uma alegoria útil aos usuários da net.blowhard).
Então, eu resolvi conduzir um experimento - construir um contra-meme projetado para fazer os participantes das discussões verem como eles estavam agindo como vetores de um meme particularmente bobo e ofensivo... e talvez para reduzir a superficialidade das comparações nazistas.
Eu desensolvi a Lei de Godlaw das Analogias Nazistas: à medida que cresce uma discussão online, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou nazismo aproxima-se de um.
Implantei a Lei de Godwin em alguns grupos ou tópicos nos quais eu vi referências gratuitas ao nazismo. Logo, para minha surpresa, outras pessoas a estavam citando - o contra-meme estava reproduzindo por si mesmo! E ele se mutou como um meme, gerando correlatos como os seguintes:
- Correlato de Newman feito por Gordon, de acordo com a Lei de Godwin: o libertarianismo (pró, contra e lutas internas de facções) é o tópico de discussão primordial do net.news. Em qualquer momento no qual o debate se dirigir para qualquer outro lugar, ele deve eventualmente voltar ao seu motor inicial.
- Correlato de Morgan à Lei de Godwin: assim que uma comparação ocorrer, alguém irá começar um tópico de discussão sobre nazismo no alt.censorship.
- Correlato de Sircar: se as discussões da Usenet mencionam homossexualidade ou Heinlein, nazistas ou Hitler serão citados em três dias.
- Correlato de Van der Leun: conforme a conectividade global se desenvolve, a probabilidade de verdadeiros nazistas estarem na rede se aproxima de um.
- Paradoxo de Miller: conforme a rede evolui, o número de comparações nazistas não antecipadas pela citação da Lei de Godwin converge ao zero.
Em tempo, discussões são fomentadas nos grupos e para mostrar uma menor incidência do meme da comparação nazista. E o contra-meme se mutou de formas ainda mais úteis. (Assim como o autor de Cuckoo's Egg, Cliff Stoll, disse-me uma vez: "Lei de Godwin? Não é aquela lei que diz que uma vez que uma discussão chega à comparação com nazistas ou Hitler, sua utilidade está acabada?"). De acordo com meus padrões (admitidamente baixos), o experimento foi um sucesso.

Pois é, mas até hoje, 22 anos após a concepção da Lei de Godwin ou 18 anos após a publicação desse texto, ainda vemos uma proliferação de argumentos que convergem à comparação nazista (ou ao meme desta). Prefiro não citar ou linkar exemplos aqui, mas acredito que os leitores tenham vivenciado ou observado uma discussão que tomasse esse rumo - ainda mais em tempos atuais em que temas como a homossexualidade, o feminismo, o aborto, a eutanásia, os direitos dos ciclistas, o vegetarianismo, o dualismo entre partidos políticos ou ideologias de esquerda e direita etc continuam vivos e fortes, não é difícil encontrar qualquer artigo, tweet ou compartilhamento no Facebook e outras redes sociais que traga um parecer sobre estes ou outros temas do ponto de vista de algo feito pelos nazistas.

Enquanto o autor de tal manifestação pretende reforçar a gravidade de algo, emprestando o valor semântico e simbólico do nazismo e de seus crimes, ele acaba muitas vezes não conscientizando o público-alvo, mas banalizando a discussão ao nível do meme do YouTube com o filme A Queda - sobre o qual Mark Dery escreveu em “Endtime for Hitler: On the Downfall of the Downfall Parodies" (2010).

Por isso Godwin propôs um contra-meme para tentar parar essa trivialização desenfreada, pedindo para que as comparações fossem feitas de maneira mais consciente e menos preocupadas apenas com o valor de choque. Mas, infelizmente, o paradoxo de Miller, um dos correlatos que Godwin encontrou, segue mais forte: "conforme a rede evolui, o número de comparações nazistas não antecipadas pela citação da Lei de Godwin converge ao zero" - e a gravidade do evento Nazismo se perde na "nulidade" do riso, do desprezo ou da inutilidade (como disse Stoll a Godwin).


http://kunstistkrieg.blogspot.com.br/2012/03/lei-de-godwin-e-banalizacao-do-nazismo.html

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Marco Feliciano e a confusão demoníaca


Esse Marcos Feliciano não passa de um bode expiatório de uma estratégia política meticulosamente engendrada pelo PT para desviar a atenção dos vigilantes do politicamente correto e dos inúmeros anencefálicos políticos que acreditam em tudo que leem e ouvem nas mídias atuais. Enquanto isso, a farra do boi acontece livremente na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara liderada pela dupla dinâmica de mensaleiros José Genuino e João Paulo Cunha. Contudo, esse movimento coitadista / oportunista LGBT está tomado por um ódio incondicional não por causa da cadeira ocupada pelo Pastor Evangélico, mas sim porque terão - de cara - seus subsídios e privilégios vetados pela Comissão de Direitos Humanos. Isso muito me alegra!!! 

----------------------------------------­--------------------------------------

Entrevista com o Deputado Marcos Feliciano no Agora é Tarde:http://migre.me/ecnmx

----------------------------------------­--------------------------------------

Pizzaria Brasil no Facebook: http://migre.me/diQvQ
Pizzaria Brasil no Twitter: http://migre.me/diQwT

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Rupert Sheldrake: Consciência, Tempo & Espaço | Consciousness, Time & Space Leg. PT- BR


Neste vídeo legendado, o biólogo Rupert Sheldrake nos explica a sua concepção de como a consciência influencia a nossa realidade, em um sentido causal diferente de outras formas de causalidade.

Quando olhamos para uma estrela distante, estamos voltando ao passado?

Video original:
http://www.youtube.com/user/conscious...

Site oficial de Rupert Sheldrake:
http://www.sheldrake.org/

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

terça-feira, 23 de abril de 2013

Coriolanus filme completo 2011






Coriolano (no original em inglêsCoriolanus) é uma tragédia de 1608 dodramaturgo inglês William Shakespeare, que seguiu a biografia de Plutarco deQueronéia, célebre autor de biografias de diversos gregos antigosCaio Márciofica conhecido como Coriolano após vencer uma batalha contra os volscos.
Coriolanus

A história
Caio Márcio, general romano que tomou a cidade de Corioli dos volscos, se tornou a figura política mais odiada entre o povo romano. A cidade se enervou e os nobres temerosos que o grassar da fome atiçasse ainda mais o rancor entre as classes, não acatou as terríveis sugestões de Coriolano.
Este por sua vez, furioso com que considerou uma vergonhosa capitulação do patriciado frente a plebe, não demorou, banido pelos romanos, em refugiar-se nos acampamentos dos volscos, eternos adversários daquela Roma dos primeiros tempos. Lá, dominado pelo ressentimento e pelo desejo de vingança, entrou em conluio com Aufidius, o rei inimigo, para vir pôr Roma em sítio. A cidade, ainda carregada com os desaforos da estiagem, viu-se ainda cercada pelo caudilho reacionário e por seus inimigos.
Segundo a lenda, foi Volumnia, a mãe de Caio Márcio, e parece que sua mulher Virgínia também, que, visitando-o nas trincheiras, convenceram-no a desistir de submeter a sua cidade natal aquele terrível padecimento. Coriolano, acatando o apelo das duas entregou-se ao destino. Retornou para a cidade dos volscos e lá deixou-se matar pela turba que o acusou de falso e traidor. Palavras do próprio Caio Márcio para sua mãe: Oh mãe! Salvastes a pátria mas perdestes o filho.
A tragédia parece inspirada por violento ódio contra o povo e a democracia, mas também por domável espírito de revolta e de liberdade do indivíduo.


Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

OS VINGADORES FILME COMPLETO DUBLADO




Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

O invisível - filme completo dublado



Obrigado pela visita, volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

domingo, 21 de abril de 2013

Impostos, história e corrupção ESCRITO POR RODRIGO SIAS | 17 JANEIRO 2013 ARTIGOS - ECONOMIA


Hoje, com mais de um terço do PIB em seu poder, o governo investe em média 1%, mesmo com o estardalhaço da propaganda oficial e o PAC.
Quanto maior o peso estatal, maiores as oportunidades de corrupção, troca de favores e clientelismo.

A tributação sempre esteve associada à coerção da sociedade pelo poder estatal, tornando-se objeto constante de controvérsia ao longo da história humana, dando origem a rebeliões, movimentos políticos, mitos e leis.
Grandes impérios sempre impuseram pesada tributação aos territórios submetidos. Nos tempos de Jesus Cristo apresentado na Bíblia, os cobradores de impostos eram considerados grandes pecadores e vistos como símbolo da dominação estrangeira simbolizada pelo Império Romano.
Considerada a primeira Constituição da história, a Magna Carta foi criada para limitar o poder dos reis ingleses de tributar a população.
É da mesma época o mito de Robin Hood, herói que lutava contra a opressão estatal e roubava do xerife de Nottingham- administrador dos cofres públicos - para distribuir aos pobres.
A Independência Americana foi motivada sobretudo por conta da questão dos impostos e seu lema inicial era "no taxation without representation".
A própria Revolução Francesa foi motivada inicialmente por um setor público visto como perdulário e voraz.
No Brasil, Tiradentes entrou para a história e transformou-se em herói nacional por conspirar contra o "quinto" cobrado por Portugal.
Mais de 200 anos depois, a "derrama" de impostos do brasileiro chegou a quase 36% do PIB em 2012 e dados do impostômetro - medidor dos impostos cobrados, idealizado pela Associação Comercial de São Paulo e pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário - indicam que o país recolheu R$ 1,556 trilhões no ano passado.
Para este ano, está prevista nova arrecadação recorde de R$ 1,734 trilhão. Nas comparações internacionais, o Brasil também está no topo. Nossa carga tributária é maior que em todos os países da América, com exceção da Argentina.
Também ganhamos da maioria dos países da OCDE e quando comparados aos países emergentes, somos campeões com folga.
As estatísticas indicam que a arrecadação vem crescendo sistematicamente bem mais que o PIB do país e nesses anos nos quais a economia encontra-se estagnada e a inflação cresce, observamos como consequência lógica que o Estado brasileiro está inchando a passos largos.
Muitas vezes me perguntam porque o Brasil crescia tanto na década de 70 e hoje vive "patinando". Uma das respostas mais óbvias tem a ver com a tributação: na época do "Milagre", o país possuia uma carga tributária próxima a 25% do PIB e os investimentos da União significavam quase 5% do PIB.
Hoje, com mais de um terço do PIB em seu poder, o governo investe em média 1%, mesmo com o estardalhaço da propaganda oficial e o PAC.
Além disso, a maior parte da arrecadação é composta por impostos indiretos que atrapalham a nossa competitividade e distorcem os incentivos produtivos.
Quanto maior o peso estatal, maiores as oportunidades de corrupção, troca de favores e clientelismo.
Em diversos rankings, nosso país aparece na vice-colocação entre os países mais corruptos, perdendo apenas para a Nigéria.
Segundo a sabedoria popular, "o Brasil tem a maior carga tributária do mundo para pagar a maior corrupção do mundo".
Observando os dados da Receita Federal e lendo as notícias de que José Genoino assumiu o mandato de deputado federal na semana passada, fica difícil discordar.

Publicado no jornal Brasil Econômico.

Rodrigo Sias 
é economista do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


http://www.midiasemmascara.org/artigos/economia/13772-impostos-historia-e-corrupcao.html

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Pastor Silas Malafaia x caio fabio



Obrigado pela visita, volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

sábado, 20 de abril de 2013

Atividades Brahma Kumaris Campinas dias 21, 26 e 28 de abril de 2013




21/04/2013 (17:30 - 18:30)
MEDITAÇÃO PELA PAZ MUNDIAL

MEDITAÇÃO PELA PAZ MUNDIAL
Todo 3° domngo de cada mês
.

21/04/2013 (18:30 - 20:00)
Cabeça fria e coração quente

Cabeça fria e coração quente
     Palestrante: Rodrigo Brito

26/04/2013 (19:30 - 20:30)
PALESTRA EXTERNA

Barão Geraldo – Cidade Universitária II
 Tema: Quem se conhece, percebe melhor o seu potencial e limitações atuais. 
Data: 26 de Abril (6° feira)
Horário: 19h30
Local: Rua Dr. Luis de Tela, 1111
Baraõ Geraldo, Cidade Universitária

28/04/2013 (18:30 - 20:00)
Vida Leve, Viver é Celebrar

Vida Leve, Viver é Celebrar.
     Palestrante: Joana Filetto




R. Monte Aprazível, 387 – Chácara da Barra
CEP: 13090-764
(ver o mapa de localização)
Fone: 19-3241.7480
Email: campinas@br.bkwsu.org


Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

COMUNISMO NEOLIBERAL BRASILEIRO - MÍDIA SEM MÁSCARA



Obrigado pela visita, volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Resposta a Jung ESCRITO POR NIVALDO CORDEIRO | 11 JANEIRO 2011 ARTIGOS - CULTURA



ESCRITO POR NIVALDO CORDEIRO | 11 JANEIRO 2011
ARTIGOS - CULTURA



O homem precisa descobrir novamente o contato com o transcendente, com o Deus de nossos pais.
Quando li pela primeira vez, por volta dos trinta anos, o opúsculo de Jung RESPOSTA A JÓ sofri um choque soberbo. Até então me considerava ateu e nunca havia levado a sério nem a teologia e nem as Escrituras. O livro de Jung teve o poder de descortino duplo: de um lado, mostrou que meu ateísmo não passava de ignorância tola; do outro, me dava uma resposta racionalista ao drama da encarnação. Se esse pequeno livro não me viesse às mãos meus interesses intelectuais teriam sido outros e certamente eu seria hoje outra pessoa. Jung teve experiências espirituais fortíssimas e, como ele mesmo registrou, para ele a fronteira entre o transcendente e o imanente era transparente. Sua autobiografia e o formidável seminário que deu sobre o Zaratustra de Nietzsche, entre 1934 e 1939, mostram como sua alma estava atormentada pelas questões relativas a Deus e à existência moral do homem. Jung teve sonhos e visões fabulosos, alguns premonitórios. Como ninguém ele compreendeu Nietzsche na sua experiência com o Mal, mas o fascínio com o numinoso o impediu de ver o Mal como Mal. No seminário em que ele estudou o Canto Noturno do Zaratustra, por exemplo, Jung se recusou a fazer a tradução do texto do alemão para o inglês, pois, segundo ele, ali falava o próprio Deus Vivo. Quanto engano! O Deus vivo não falava pela alma de Nietzsche. O atormentado filósofo, como um Van Gogh das Letras, lidava mesmo era com a personificação do Mal. Thomas Mann fez muito bem em tomá-lo como personagem principal do magnífico DOUTOR FAUSTO, no qual relata o ocaso da Alemanha tomada por Mefisto.
No Canto Noturno falou a figura mais solitária e isolada já criada por Deus, a mais triste da criação que já existiu. Penso que o próprio Anjo Caído está presente ali.
Jung errou dramaticamente no seu livro RESPOSTA A JÓ. O drama da encarnação de Cristo foi um ato de bondade unilateral de Deus para com o homem, sua criatura preferida. Pensar que o homem, mesmo um santo como Jó, tenha algo a dar a Deus é delírio perigoso. Tudo que o homem tem, inclusive sua frágil existência, vem de Deus. Tentar uma leitura psicológica dos diálogos bíblicos para dar um sentido e mostrar uma conexão lógica de um suposto amadurecimento de Deus carece de senso de verdade. E, relendo o Livro de Jó, bem poderíamos apropriadamente imaginar que as palavras que lá estão atribuídas ao Criador podem, com alto grau de realismo, ser as do próprio Satã usando o nome de Deus em vão para confundir e desemcaminhar o santo Jó. O equívoco de Jung foi total no seu intento.
Jung viveu intensamente o ateísmo e o demonismo do seu tempo e foi testemunha ocular do poder de destruição que o Mal, solto sobre a terra, pode realizar. O mundo foi incendiado àquela época, tudo que era sagrado foi profanado, a própria fé na ação do homem e na ciência, compreendida como redentora em substituição à verdade revelada, foi abalada. O homem chegou em 1945 desamparado de Deus e de si mesmo.
Mas Jung tem o grande mérito de ter mostrado que o homem não é senhor de sua própria casa, que outras forças atuam na sua alma atormentada e, mais importante, se o homem não buscar o Bem, fatalmente estará nos braços do Mal. Como em 1945 (e nos fatídicos anos que lhe antecederam) o mundo está hoje. Com a mesma crise financeira, a desesperança, o desemprego, o emergir de potências hostis poderosas até então inexpressivas. A história está de novo em movimento e os fatores anímicos elementais estão em ação, mesmo que as massas deles não se dêem conta.
Se há uma resposta de Deus a Jó é a mesma que foi dada para mim e para você, meu caro leitor: o homem é a criatura que por ele vela o Deus Misericordioso. Mas o homem precisa descobrir novamente o contato com o transcendente, com o Deus de nossos pais. Precisa ter a humildade de saber que não é capaz de criar. O Criador é só um e o homem não pode substituí-lo. A resposta está dada e é conhecida.



Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Filme Completo: SÃO PADRE PIO DE PIETRELCINA - Imagem Digital.



Obrigado pela visita, e volte sempre
.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Madre Teresa de Calcutá - ( Filme COMPLETO )




Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Gandhi - O FILME COMPLETO - 1982




Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

O Discurso do Rei




Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Os diálogos entre Naphta e Setembrini


No livro A Montanha Mágica Thomas Mann colocou dois personagens como emblemas da modernidade: Naphta e Setembrini. O primeiro sacerdote jesuíta, o segundo membro da loja maçônica carbonária. Os irmãos siameses da modernidade.



Link do livro Montanha Mágica.
Thomas-Mann-A-Montanha-Mágica-(pdf)(rev)

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Blog do João Maria Andarilho Utópico Professor Pedagogo.: As diferenças ente: administração, gerência e gest...

Blog do João Maria Andarilho Utópico Professor Pedagogo.: As diferenças ente: administração, gerência e gest...: Livro ADMINISTRAÇÃO. JAMES A. F. STONER. - R. EDWARD FREEMAN. EDITORA PHB - QUINTA EDIÇÃO - COPYRIGHT1982 - 533 PAG. . PARTE 1 - INTRODU...

Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

terça-feira, 16 de abril de 2013

A História invertida ESCRITO POR OLAVO DE CARVALHO



Os soviéticos foram sempre os campeões absolutos no recrutamento de jornalistas. Nos EUA, hoje conhecem-se um por um os nomes daqueles que, na mídia americana, serviram à KGB e ao GRU (serviço secreto militar).

No Brasil, esse capítulo da história do nosso jornalismo é ainda um tabu.

O confronto entre militares e terroristas na América Latina dos anos 60-70 foi um episódio da Guerra Fria, onde os atores locais, sem prejuízo de suas convicções e decisões próprias, ecoavam, em última instância, as estratégias respectivas das duas grandes potências em disputa: os EUA e a URSS.
Nada do que então se passou no continente pode ser compreendido sem ter isso em conta.
Se perguntarmos qual dos dois protagonistas estrangeiros interferiu mais profundamente no cenário latino-americano, a única resposta honesta é: a URSS.
Do ponto de vista militar, isso é de uma obviedade gritante. Os EUA jamais chegaram a ter, na época, quarenta mil soldados, quinze mil técnicos em armamentos, setecentas baterias anti-aéreas, 350 tanques e cento e tantos mísseis balísticos intercontinentais instalados em nenhum dos seus países aliados na América Latina, como a URSS teve em Cuba já a partir de 1962 na chamada “Operação Anadyr”. (v. Gus Russo and Stephen Molton, Brothers in Arms. The Kennedys, the Castros and the Politics of Murder, New York, Bloomsbury, 2008, p. 158, e http://www.russianspaceweb.com/cuban_missile_crisis.html).
No que diz respeito à espionagem propriamente dita, a superioridade soviética surge ainda mais nítida no caso do Brasil em especial. Nada do que a CIA ou qualquer outro serviço secreto norte-americano possa ter feito aqui se compara às proezas da KGB, que chegou a instalar um grampo no gabinete do presidente João Figueiredo (v. George Schpatoff, KGB. História Secreta, Curitiba, Juruá, 2000, pp. 381 ss.), interceptar 21 mil mensagens sigilosas do nosso Ministério das Relações Exteriores e ter a seu serviço, como agente pago, nada menos que um embaixador brasileiro em Moscou (v. Christopher Andrew and Vasili Mitrokhin, The World Was Going Our Way. The KGB and the Battle for the Third World, New York, Basic Books, 2005, p. 105).
Se daí passamos ao campo das chamadas “medidas ativas” (desinformação, infiltração, guerra psicológica, agentes de influência etc.), a supremacia soviética no Brasil daqueles anos assume as proporções de um poder absoluto e incontrastável. Em 1964, a KGB tinha várias dezenas de jornalistas brasileiros na sua folha de pagamentos (confissão do próprio chefe da agência soviética no Brasil, Stanislav Bittman, em The KGB and Soviet Disinformation: An  Insider’s View). Que o número deles se multiplicou nos anos seguintes não é algo de que se possa duvidar. Muitos jornalistas brasileiros, naquele período, fizeram estágios na URSS, na China, na Tchecoslováquia, na Alemanha Oriental, na Polônia e em Cuba. Uns poucos gabam-se disso até hoje, seguros de que o público amestrado já não verá aí o menor motivo de suspeita. Mas naqueles países, onde todos os órgãos de mídia nada mais eram do que extensões da polícia secreta, é quase impensável que algum jornalista estrangeiro fosse admitido sem ser em seguida recrutado como agente de influência. Como assinalam John Earl Haynes, Harvey Klehr e Alexander Vasiliev em Spies: The Rise and Fall of the KGB in America (Yale University Press, 2009), os soviéticos foram sempre os campeões absolutos no recrutamento de jornalistas. Nos EUA, hoje conhecem-se um por um os nomes daqueles que, na mídia americana, serviram à KGB e ao GRU (serviço secreto militar). No Brasil, esse capítulo da história do nosso jornalismo é ainda um tabu, mas é evidente que sem ele nada se compreende do período, principalmente porque em plena ditadura militar os comunistas chegaram a controlar praticamente toda a grande mídia no país (v.http://www.olavodecarvalho.org/semana/111124dc.htmlhttp://www.olavodecarvalho.org/semana/111125dc.htmlhttp://www.olavodecarvalho.org/semana/111130dc.html) e a dominar também o mercado livreiro através das suas grandes casas editoras (Civilização Brasileira, Brasiliense, Vitória etc.). Nem falo, é claro, dos agentes de influência que vindo do bloco soviético se espalharam pelos EUA e pelas democracias européias, forjando aí a imagem demoníaca do governo brasileiro que acabou por se consagrar como dogma internacional inabalável.  
O conjunto forma uma orquestra formidável, ao lado da qual a voz do imperialismo ianque mal soava como o miado de um gatinho doente. Ao longo de toda aquela época, e depois mais ainda, tanto os EUA quanto o governo brasileiro se abstiveram de fazer qualquer esforço sério para ganhar os “corações e mentes” dos formadores de opinião neste país. Em plena ditadura, os jornalistas “de direita” nas redações contavam-se nos dedos das mãos e eram abertamente hostilizados por seus colegas.
Por fim, até hoje não se fez uma avaliação razoável da quantidade de recursos mobilizados pelas ditaduras de Cuba, da China, da URSS e seus países satélites para treinar, equipar e financiar não só os terroristas brasileiros mas os militantes encarregados de lhes dar apoio político sem participar dos combates. Foi uma operação de proporções gigantescas, que na imagem pública hoje em dia só aparece sob a forma de menções esporádicas a “exilados”, como se os comunistas só fossem para aqueles países quando obrigados a isso pelo governo militar.

Em comparação com a profundidade e amplitude da intervenção cubano-soviética no continente, e especialmente no Brasil, a ação dos EUA naqueles anos caracterizou-se pela raridade, timidez e omissão, limitando-se no mais das vezes a acordos entre governos. Se a imagem que se consagrou na mídia e no ensino foi exatamente a inversa, isso é mais uma prova do sucesso de uma operação que prossegue ainda hoje, tendo a seu serviço tanto os megafones quanto as mordaças.

Publicado no Diário do Comércio.

http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/14042-a-historia-invertida.html

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Hoje é dia de Indira jejum de Ekadasi 21 dia 16/09/2017

      Indira jejum de Ekadasi 21                M aharaja Yudhisthira Disse:              - Ó Madhusudana, qual o nome do Ekada...