sábado, 29 de junho de 2013

Karma significado da palavra por joao maria andarilho utópico



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

A Diferença entre um Líder e um Simbolo Aglutinador



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

A situação da língua literária portuguesa



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

MOVIMENTO PASSE LIVRE E ESTRATÉGIAS DA ESQUERDA - OLAVO DE CARVALHO



Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA ANALÍTICA DE JUNG




Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

MANDALA: UM ESTUDO NA OBRA DE C. G. JUNG Monalisa Dibo Mestranda em Ciências da Religião – PUC-SP





Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

A Tipologia de Jung – Tipos Psicológicos - Jung Psicologia Transpessoal




Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

sexta-feira, 28 de junho de 2013

A Igreja e o Mercado: Fé, Família e Liberdade.



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Blog do João Maria Andarilho Utópico Professor Pedagogo.: O que é Actvist Cash - Precauções saudáveis Ola...

Blog do João Maria Andarilho Utópico Professor Pedagogo.: O que é Actvist Cash - Precauções saudáveis Ola...: Se o prezado leitor deseja entender algo do mundo atual, o mínimo indispensável de prudência recomenda que se atenha às seguintes reg...

Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

ONGs e movimentos sociais são as formas de ação do imperialismo de esquerda



Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

O mito do plano colômbia, a ajuda de Clinton às FARC



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

A Origem dos Termos Direita, Esquerda e Centro, usados em Política



Ainda que sejam expressões praticamente em desuso, diante da grande mistura ideológica partidária atual, transformando tudo em consenso, principalmente quando se trata de macro-economia e investimentos públicos, nunca é demais lembrar que estes termos remontam a Revolução Francesa, quando Girondinos e Jacobinos se opunham na Assembléia Nacional (parlamento).

Os membros do Partido da Gironda, cujo termo refere-se a um departamento (território) francês, era composto pela aristocracia nacional, à nobreza favorável à manutenção do rei e conciliação com a monarquia; fervorosamente contrária à Revolução e à Salvação Nacional, sentavam-se à direita da Mesa do Presidente da Casa.

Nos assentos à esquerda, ficavam os membros do Partido Jacobino, oriundo do Clube dos Jacobinos, nome devido ao Convento dos Jacobinos, à rua onde se instalou (St. Jacques = jacobus em latim; Jacobins, em francês) agremiação protagonista da Revolução Francesa, convertida em partido político.

O Partido Jacobino (representante dos sans-culottes, a parcela mais humilde da população), radical em seu posicionamento quanto ao avanço e aprofundamento da Revolução e comprometido com as mudanças sociais, era composto por deputados hostis e totalmente contrários à monarquia francesa, às casas reais européias em geral, aos títulos nobiliárquicos, suas prerrogativas e seu status.

Ao centro, ficava o grupo mais heterogêneo e sempre disposto ao consenso.
Com membros da alta, média, pequena burguesia e alguns aristocratas, não possuía perfil ideológico característico definido ou comprometimento com os dois grupos mais atuantes, votando ora com um, ora com outro, todavia, sem converter-se em seus antagonistas.

Daí em diante, os termos passaram a referir-se ao perfil ideológico e político adotado de forma individual ou coletiva.

De Direita, é o indivíduo ou grupo reacionário, burguês, conservador do ponto de vista social e científico, adepto do status quo e das instituições, ou liberal, do ponto de vista econômico, aderindo à iniciativa e investimentos privados nos empreendimentos, o chamado laissez faire.

De esquerda, identificado com o coletivismo, as questões sociais, o socialismo, o intervencionismo estatal, ideais progressistas, o domínio do estado sobre a iniciativa pessoal ou particular, anticlerical e anticapitalista.

De Centro, sem comprometimento direto, moderado, articulista e que rejeita a política panfletária e o embate direto em questões controversas, adepto das “alianças suprapartidárias”, acomodando-se “em cima do muro “.

Posteriormente, todos estes termos tornaram-se flexíveis, admitindo a centro-esquerda e a centro-direita, por exemplo, para caracterizar um maior comprometimento ideológico; ou extrema-direita e extrema-esquerda, para identificar radicalismo político e intolerância.

A extrema-direita caracteriza-se por recorrer ao nacionalismo, à religião, à xenofobia e, por vezes, à truculência e intimidação; ao militarismo ou para-militarismo, à propaganda estatal, ao Estado policialesco e às armas para impor sua linha de raciocínio, negando a intervenção democrática e a discussão social; impondo-se pela ditadura, através do controle personalista de um líder.

Uma parcela considerável dos “Golpes de Estado”, com deposição de chefes de governos, ou ascensão fraudulenta ao poder, historicamente, foi promovida por adeptos desse ramo ideológico.

A extrema-esquerda não tem se diferenciado, pelo emprego dos métodos, em bases gerais, da definição da extrema-direita, não fosse o fundamento do sistema de idéias, a noção de Estado, Economia e Produção.

A esta definição, inclui-se oposição ao conjunto democrático vigente, pregando o
rompimento do sistema como é conhecido, através do combate armado ao capital e seus representantes; a adoção do niilismo e a exportação da revolução a todos os continentes.
Também faz feroz oposição aos partidos socialistas e comunistas, a quem acusa de subversão dos ideais soviéticos.

Tem se caracterizado, para alcançar o poder, pelo emprego de intentona (rebelião) ou processos revolucionários

http://www.osabetudo.com/a-origem-dos-termos-direita-esquerda-e-centro-usados-em-politica/#_
Leia no oSabeTudo.com: A Origem dos Termos Direita, Esquerda e Centro, usados em Política | oSabeTudo.com

Obrigado pela visita, e volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Os perigos da rebelião das massas no Brasil



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Srimad-Bhagavatam 1.6.34 - O Senhor, seu companheiro constante


Todas as glórias a Srila Prabhupada!
 
Srimad-Bhagavatam 1.6.34 - O Senhor, seu companheiro constante


 
Experimentei pessoalmente que aqueles que estão sempre cheios de preocupações e ansiedades devido a desejarem o contato dos sentidos com seus objetos podem cruzar o oceano da nescidade em um barco muito adequado - o cantar constante das atividades transcendentais da Personalidade de Deus.

 
Significado: O sintoma de um ser vivo é que ele não pode permanecer silencioso nem sequer por pouco tempo. Ele tem que estar fazendo algo, pensando em algo ou falando de algo. Os homens materialistas geralmente pensam e discutem sobre temas que satisfazem seus sentidos. Mas, como essas coisas são exercitadas sob a influência da energia ilusória externa, tais atividades sensoriais, na verdade, não lhes dão nenhuma satisfação. Ao contrário, eles se enchem de preocupações e ansiedades. Isso se chama maya, ou aquilo que não é. Aquilo que não pode lhes dar satisfação é aceito como um objeto de satisfação. Assim, Narada Muni, através de sua experiência pessoal, diz que a satisfação para tais seres frustrados que se ocupam em gozo dos sentidos é cantar sempre as atividades do Senhor. A ideia é que se deve unicamente mudar o tema. Ninguém pode deter as atividades de pensar de um ser vivo, nem os processos de sentir, desejar ou trabalhar. Mas se alguém quer felicidade verdadeira, deve apenas mudar o tema. Ao invés de falar da política de um homem mortal, deve-se discutir a política conduzida pelo próprio Senhor. Ao invés de saborear atividades dos artistas de cinema, pode-se voltar a atenção para as atividades do Senhor com Seus companheiros eternos como as gopis e Laksmis. A todo poderosa Personalidade de Deus, por Sua misericórdia sem causa, desce à Terra e manifesta atividades quase ao nível dos homens mundanos, mas, ao mesmo tempo, extraordinárias, porque Ele é todo-poderoso. Ele o faz para o benefício de todas as almas condicionadas, para que elas possam voltar sua atenção para a transcendência. Por fazê-lo, a alma condicionada será gradualmente promovida à posição transcendental e facilmente cruzará o oceano de nescidade, a fonte de todas as misérias. Afirma-se isso com base na experiência pessoal de uma autoridade como Narada Muni. E nós podemos ter também a mesma experiência, se começarmos a seguir os passos do grande sábio, o mais querido devoto do Senhor.

-- 
Sudarshana das (HDG)



 



http://br.groups.yahoo.com/group/krishna-katha

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Veja como o PT engana os Brasileiros!



Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Paulo Martins - As propostas mentirosas de Dilma



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Paulo Martins - O golpe de Dilma



Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

PNDH3, PT, ONU, NOVA ORDEM MUNDIAL - AGENDA CORRUPTORA SOCIALISTA



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

DECÁLOGO DE LENIN - AGENDA CORRUPTORA SOCIALISTA PARA A TOMADA DO PODER



Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Os cinco pontos de Dilma Rousseff



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

66 - Manifestantes, estão usando vocês!



Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

terça-feira, 25 de junho de 2013

"Si el dinero se utiliza mal, entonces ambos quedan involucrados."




Acyutananda: Si un hombre dice, "Yo te doy este donativo porque es una organización espiritual," pero si el dinero se usa mal, ¿ése hombre se beneficia?

Prabhupada: Si el dinero se utiliza mal, entonces ambos quedan involucrados. Si no se usa para Krishna, entonces ambos quedan bajo las leyes del karma."

14 de marzo de 1976, caminata matutina.


http://prabhupadacharya.blogspot.com.br/2013/04/si-el-dinero-se-utiliza-mal-entonces.html
Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

" O único remédio para essas condições é aumentar o movimento de sankirtana"




"No presente dia também, pessoas de todo o mundo podem se unir ao movimento da consciência de Krishna e protestar contra os atuais governos degradados das sociedades sem Deus no mundo, que são baseados em todos os tipos de atividades pecaminosas. O Srimad-Bhagavatam afirma que na Era de Kali, os ladrões, trapaceiros e pessoas de quarta classe que não têm nem educação nem cultura, capturaram as sedes dos governos para explorar os cidadãos. Este é um sintoma de Kali Yuga que já apareceu. As pessoas não podem se sentir seguras sobre as suas vidas e bens, ainda assim os chamados governantes continuam, e ministros do governo recebem gordos salários, embora sejam incapazes de fazer alguma coisa boa para a sociedade. O único remédio para essas condições é aumentar o movimento de sankirtana sob a bandeira da Consciência de Krishna e protestar contra as atividades pecaminosas de todos os governos do mundo."  Srila Prabhupada (Sri Caitanya Caritamrita Adi Lila 17. 141)


http://prabhupadacharya.blogspot.com.br/2013/06/o-unico-remedio-para-essas-condicoes-e.html

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

"Os cidadãos precisam ser escrupulosamente honestos e virtuosos."



" O país auto-financiador de sua assistência social  impõe a seus cidadãos ardentes taxas em várias formas de imposto de renda, imposto sobre vendas, imposto predial, imposto de transporte, imposto de consumo,  imposto da alfândega, e tantos outros impostos. Mas, no momento oportuno, quando os impostos se acumulam em uma grande soma de dinheiro, eles são utilizados para o bem-estar dos cidadãos de várias maneiras. No entanto, às vezes  acontece que os benefícios dos impostos caem como chuva sobre os corações de pedra dos homens do estado, que são incapazes de utilizar o dinheiro de forma adequada e esbanjam-lho para a gratificação dos sentidos.
Assim, para ter uma distribuição igual dos impostos estaduais arrecadados, os cidadãos precisam ser escrupulosamente honestos e virtuosos. Eles devem ser honestos no pagamento dos impostos ao estado e devem ter representantes honestos que olhem sobre a administração. Na organização moderna dos estados democráticos os cidadãos não podem ter nenhum motivo para queixas, porque toda a administração é realizada pelas próprias pessoas. Se as próprias pessoas são desonestas, a maquinaria administrativa é forçada a ser corrupta. Embora  um governo ruim das pessoas possa se lhe dar um nome bom ou extravagante, se as pessoas não são boas, não podem ter um bom governo, independentemente do partido que governa a administração. Portanto, o bom caráter na consciência da massa das pessoas é o primeiro princípio necessário para um bom governo e igual distribuição da riqueza.” Srila Prabhupada (Luz do Bhagavata Mantra 2)


http://prabhupadacharya.blogspot.com.br/2013/06/os-cidadaos-precisam-ser.html

Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Pensadores Kierkegaard




Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

A negação da morte Resenha: A Negação da Morte: Uma Abordagem Psicológica da Finitude Humana de Ernest Becker


A negação da morte

Resenha:

A Negação da Morte: Uma Abordagem Psicológica da Finitude Humanade Ernest Becker

Por Rodrigo I. R. S. Menezes
A Negação da Morte: Uma Abordagem Psicológica da Finitude Humana(1973), de Ernest Becker, é um livro iluminador que analisa, a partir de uma abordagem multidisciplinar fincada na psicanálise, o problema da morte na vida humana, a relação íntima e problemática que se configura entre o homem e esta realidade inescapável, da qual possui uma trágica consciência. O autor, que em 1974 recebeu o prêmio Pulitzer por esta obra, pretendeu reunir e sistematizar ali todo o conhecimento sobre o problema da morte produzido pelas diferentes áreas do saber ao longo da história, das ciências humanas, passando pela filosofia, à religião.
O livro parte da premissa de que “a idéia da morte e o medo que ela inspira perseguem o animal humano como nenhuma outra coisa”, representando, em realidade, “uma proposição universal da condição humana” (BECKER 2007: 11). Nesta perspectiva, as diferentes culturas constituem sistemas simbólicos complexos que têm por função negar a realidade da morte, permitindo assim que as pessoas vivam com a ilusão de estarem imunes ao Inevitável, sem o fardo de sua constante e penosa consciência. O título em si já sugere uma idéia central no livro: o conceito de mentira vital serve para explicar que, a morte desempenhando um papel crucial na existência, a tendência humana mais instintiva é negá-la através de artifícios psicológicos subconscientes de auto-engano e auto-ilusão.
O conceito de heroísmo também é central e atravessa toda a trama de análise do livro. Heroísmo, aqui, designa a atitude humana fundamental (poder-se-ia dizer arquetípica) frente ao mundo, a vida e a perspectiva da morte, definindo-se como um ideal de coragem e sabedoria que varia de acordo com as culturas e os povos; aplica-se como uma chave de interpretação psicológica e antropológica, segundo a qual “nossa tendência central, nossa principal tarefa neste planeta, é a heróica” (BECKER 2007: 19). Escreve Becker: “Não importa se o sistema de heroísmo de uma cultura é francamente mágico, religioso e primitivo ou secular, científico e civilizado. É, de qualquer forma, um sistema de heróis mítico, no qual as pessoas se esforçam para adquirir um sentimento básico de valor, para serem especiais no cosmo, úteis para a criação, inabaláveis quanto ao seu significado” (BECKER 2007: 24).
Igualmente importante para a análise de Becker (conceito diretamente relacionado àquele de heroísmo) é a categoria psicanalítica de narcisismo, que nos diz, basicamente, que “estamos perdidamente absortos em nós mesmos”, e que, para cada um de nós, “todos são sacrificáveis, exceto nós mesmos” (BECKER 2007: 20). O narcisismo é a causa do egoísmo instintual que nos torna seres essencialmente associais e agressivos, mas essa tendência narcisística tem o seu lado positivo, dir-se-ia vital, pois “um grau prático de narcisismo é inseparável da auto-estima, de um sentimento básico de valorização de si mesmo” (BECKER 2007: 21). Ademais, afirma Becker, sem um mínimo de vaidade e ilusão sobre nós mesmos, sobre nossa condição e nosso valor, cairíamos numa depressão profunda.
Em função do nosso narcisismo natural, somos seres com expectativas, exigências e ansiedades, das quais os animais estão livres por não possuírem uma consciência individual abstrata, encerrados como estão no automatismo inconsciente da natureza, na ordem da generalidade e do anonimato. Os adultos, segundo o autor, reproduzem um comportamento que aparece com muito mais nitidez nas crianças: o desejo de afirmar-se como centro do universo, reconhecido e admirado por todos, de ser o primeiro e o único, o que se torna ainda mais problemático quando há mais de uma criança – ou um adulto – competindo por esses privilégios. A esta carência de nossa psique corresponde um estatuto ontológico desejável, ao qual Becker dá o nome designificância cósmica: um sentimento oceânico de ser parte dos planos da Criação, dotado de importância e valor absolutos. Seja como for, mais do que expressar um problema pedagógico ou cultural, redutível às formas de educação adequadas (“apenas as crianças mimadas se comportam assim…”), a necessidade de significância cósmica é, segundo o autor, um dado antropológico estrutural, diretamente ligado ao terror da aniquilação pela morte e à percepção da própria nulidade na economia do universo.
Em termos filosóficos, Becker parte da premissa de que o homem não possui uma “essência”: “algo fixado em sua natureza, como uma qualidade ou substância especial” (BECKER 2007: 48), como postularam durante muito tempo a teologia e a metafísica. Ao buscar-se esta suposta essência do animal racional, nada se encontra além de uma consciência angustiada, incorporada provisoriamente a um composto orgânico “que vale cerca de 98 centavos de dólar” (BECKER 2007: 50). É justamente esse o dilema existencial do ser humano, que o autor nomeia em termos de uma condição de individualidade dentro da finitude: ele se encontra cindido entre a finitude e a necessidade da parte física do seu ser, e a dimensão da infinita possibilidade que constitui sua consciência reflexiva, seu universo simbólico, sua capacidade de abstração e imaginação. Inserindo-se numa tradição de pensadores como Pascal e Kierkegaard (ao qual ele recorrerá mais adiante), Becker aponta esta condição paradoxal, possibilitada pela presença de uma consciência dilacerada, como a causa do fardo experiencial humano, incapaz de suportar o peso esmagador de uma realidade que parece, mais do que indiferente, hostil, aos nossos sonhos e expectativas. Nosso eu, formado em tensão com aquilo que Freud chama de princípio de realidade, desenvolve, desde cedo, barreiras para impedir que o terror da aniquilação nos paralise por completo, tornando-nos presas fáceis de predadores e outras ameaças; estruturado sobre camadas de proteção simbólica contra as contingências que nos ameaçam, ele simplesmente se recusa a aceitar que esteja submetido a uma realidade que o transcende e sobre a qual não tem nenhum controle. “O homem está literalmente dividido em dois: tem consciência de sua esplêndida e ímpar situação de destaque na natureza, dotado de uma dominadora majestade, e no entanto retorna ao interior da terra, uns sete palmos, para cega e mudamente apodrecer e desaparecer para sempre. Estar num dilema desses e conviver com ele é assustador”, e é por isso que Becker acredita que “têm razão, absoluta razão, aqueles que acham que uma plena compreensão da condição humana levaria o homem à loucura” (BECKER 2007: 49).
No capítulo sobre “o caráter como mentira vital”, é analisada a maneira pela qual o ego se constitui como uma defesa neurótica contra o desespero provocado pela verdade da condição humana. Trata-se, com efeito, de uma “desonestidade necessária e básica acerca da própria pessoa e de toda sua situação” (BECKER 2007: 80). Segundo Becker, o sentimento básico da criatura consciente de si mesma é o medo, e o homem, mesmo depois de crescido, carrega em si, ainda que escamoteado, o terror profundo que a criança sente perante os mistérios e os perigos da vida. Ele é um covarde inveterado que se engana acerca de suas forças e capacidades, de sua importância e valor, para não sucumbir ao completo desespero em um mundo que pode engolfá-lo a todo momento. No fundo, ele se sabe frágil, impotente, ignorante, sem a força necessária para tornar-se o deus que desejaria ser; mesmo assim, segue adiante, mentindo para si mesmo sobre sua condição insuficiente.
Becker assume a tese de que o ser humano não possui autonomia ontológica, recebendo do exterior suas idéias, crenças, valores e significados – sua identidade mesma: “Todos os nossos significados nos são inculcados pelo lado de fora, pelas nossas relações com os outros. É isso que nos dá um ‘eu’ e um superego. Todo o nosso mundo de certo e errado, bom e mau, nosso nome, exatamente quem somos, tudo isso é enxertado em nós. Nunca sentimos que temos autoridade para oferecer coisas por nossa conta” (BECKER 2007: 72), mas isso é tudo o que nos recusamos a aceitar e admitir. Aquilo que chamamos de “caráter” – a pretensão de uma individualidade simbólica auto-subsistente – é uma ilusão, uma falsidade, uma mentira vitalresultante de uma de uma negação, de uma covardia instintiva. Assim, nossos “traços de caráter” seriam pequenas neuroses que refletem a maneira como reagimos ao problema da vida e da morte, da existência consciente em meio à cadeia alimentar. Eis porque o auto-conhecimento é tão amargo e indesejável: “A hostilidade contra a psicanálise, no passado, hoje e no futuro, será sempre uma hostilidade contra o reconhecimento de que o homem vive à custa de mentir para si mesmo sobre si mesmo e sobre o mundo, e de que o caráter [...] é uma mentira vital” (BECKER 2007: 76).
O problema da negação da morte leva o autor de encontro ao filósofo dinamarquês Kierkegaard, que produziu importantes reflexões sobre o problema existencial da morte. Becker apresenta “o psicanalista Kierkegaard”, buscando mostrar a relevância psicanalítica de sua obra, que segundo ele antecipou muitos dados da moderna psicologia clínica. Neste âmbito, Becker afirma que o maior mérito de Kierkegaard foi haver demonstrado a relação íntima que se configura entre a psicologia e a religião, no sentido de que “a melhor análise existencial da condição humana leva diretamente ao problema da existência de Deus e da fé” (BECKER 2007: 94), e vice-versa. O ponto de partida kierkegaardiano para o problema da consciência da morte é o mito bíblico da Queda, que, segundo Becker, aponta para o paradoxo existencial que é o início comum da psicologia e da religião. Ele aposta numa convergência destas duas formas culturais no sentido de iluminar o fato de que “a angústia da morte é a angústia característica, a mais intensa angústia do homem” (BECKER 2007: 96). O postulado comum entre o cristão Kierkegaard e a psicologia secular moderna é que “o homem é uma união de contrários, de autoconsciência e de corpo físico”, um ser que experimenta o paradoxo de ser meio anjo, meio besta, um animal com um rosto único e um nome próprio, mas que tem “consciência do terror do mundo e de sua morte e deterioração” (BECKER 2007: 95).
Becker segue para mostrar quão grande conhecedor dos mecanismos psicológicos de negação da morte Kierkegaard mostra ser, sugerindo já no século XIX a idéia do caráter como uma “estrutura erguida para evitar a percepção do ‘terror, perdição [e] aniquilamento [que] são vizinhos de todo homem’”. Segundo ele, Kierkegaard “entendia a psicologia tal como um psicanalista contemporâneo a entende: sua tarefa é descobrir as estratégias que uma pessoa usa para evitar a angústia” (BECKER 2007: 96). O filósofo estaria interessado em entender os estilos adotados pelas pessoas para viver sem serem perturbadas pelo terror existencial. Para ele, o confinamento em si e o automatismo cultural (“filistinismo”) seriam duas destas formas. A moderna compreensão psiquiátrica das psicoses também seria, na visão de Becker, tributária das reflexões kierkegaardianas sobre o desespero  e a loucura. Sua reflexão sobre as diferentes formas do desespero, o da finitude e o da infinitude – relacionados, respectivamente, ao fator corporal limitante e ao fator espiritual, expansivo e ilimitado, da síntese humana – mostram como o indivíduo pode beirar o colapso psíquico caso afirme em excesso, ou suprima, um de seus pólos ontológicos.
Em matéria de psicanálise, a referência principal de A Negação da Morte não é Freud, que, aliás, Becker critica por haver se esquivado do verdadeiro problema da morte, transformando o que seria uma necessidade indesejável num impulso inconscientemente desejado – a “pulsão de morte”. É o brilhante ex-discípulo e colega de círculo psicanalítico de Freud, Otto Rank, que Becker considera haver melhor trabalhado o problema da morte na psicanálise, e ele recebe em sua obra um tratamento mais elaborado. Em se tratando dos temores básicos de todo ser humano, escreve Becker, “na ciência do homem foi Otto Rank, acima de tudo, quem colocou esses temores em evidência, baseando todo seu sistema de pensamento neles e mostrando o quanto são fundamentais para uma compreensão do homem” (BECKER 2007: 78).
Por fim, neste formidável livro, que vai muito além da psicanálise e pode ser do interesse de qualquer pessoa, especialista ou não, Ernest Becker realiza uma verdadeira anatomia da consciência humana angustiada pelo drama da finitude, dissecando com uma coragem admirável os temores, obsessões e traumas que têm concurso nos mecanismos instintuais da nossa vida psíquica. Uma deliciosa leitura que, por outro lado, pode ser desconfortável e amarga, pois desarma nossas armaduras de caráter e revela as formas essenciais de mentira das quais dependemos para nos mantermos de pé. Mas desagradável e amarga tão-somente na medida em que funciona como uma espécie de remédio salutar, que tomamos na expectativa de que faça bem à alma, pela virtude do auto-conhecimento.
Livro: A Negação da Morte
Autor: Ernest Becker
Detalhes: Rio de Janeiro, Record, 2007. Trad. de Luiz Carlos do Nascimento Silva (do original The Denial of Death, 1973), 363 Págs.

fonte: http://www.institutohypnos.org.br/?page_id=3436


Ernst Becker

Antropólogo norte-americano, Ernst Becker nasceu a 27 de setembro de 1924,em Springfield (Massachusetts), EUA, tendo decidido estudar Antropologiaapenas aos 32 anos de idade. Após concluir o seu doutoramento, em 1960, naUniversidade de Syracuse, Becker ensinou Antropologia no Departamento dePsiquiatria do Upstate Medical Centre de Syracuse. Nesta instituição, ondepermaneceu três anos, Becker começou a questionar fortemente a PsiquiatriaMédica e o que ele considerava ser um modelo autoritário de praticar ciência emedicina. Em alternativa, lançou as bases de uma ciência humana e socialintegrada e interdisciplinar, que apresentou na obra de 1962, The Birth andDeath of Meaning: A Perspetive in Psychiatry and Anthopology (que viria areeditar, numa versão transformada, em 1971).
Na sua ação como investigador e professor, Ernst Becker pautou-se semprepela vontade de constituir um novo saber sobre o homem, que integrasse osdiversos conhecimentos e disciplinas, no seguimento do sonho iluminista de umaciência universal e totalizante.
As maiores contribuições académicas de Ernst Becker confundem-se, assim,com as suas metas enquanto indivíduo: a procura de um conhecimento objetivosobre a existência humana que permitisse alcançar maior felicidade para oindivíduo. Para tal, insistiu na construção de uma teoria interdisciplinar euniversal, fundada em princípios filosóficos e epistemológicos do pragmatismoamericano e do interacionismo simbólico, que serviria de base para a análisesocial e individual. Ao longo da sua carreira académica, Becker ocupou-se deassuntos como a educação, a linguagem, e diversos problemas psiquiátricos(como esquizofrenia, depressão, psicopatia, sadismo, masoquismo, etc.), queabordou a partir da sua ciência integrada do homem.
A preocupação permanente de Becker em compreender a existência humanacomo um todo, conduziu a que no final da sua vida este se inclinassedecisivamente para a necessidade de ligação entre ciência e religião, dado queconsiderou relativamente falhada a sua meta de criação de uma ciência dohomem. Registe-se, aliás, que a parte final da vida de Becker, que faleceu em1974, foi marcada pela ansiedade e angústia perante o que este consideravaser a constante contradição humana: a óbvia imperfeição do ser humanoperante a ideia de perfeição que este possui. Este tema domina a sua obra maisaclamada (Prémio Pulitzer de 1974 para obras de não ficção), The Denial of Man(1973).
Homem e cientista social polémico, bastante marginalizado pela comunidadeacadémica, Ernst Becker foi um humanista que não se cansou de perseguir oideal de um conhecimento científico feito do homem para o homem, semfronteiras disciplinares e metodológicas.
Outras obras fundamentais:
1961, Zen: A Rational Critique 
1964, The Revolution in Psychiatry: The New Understanding of Man 
1967, Beyond Alienation: A Philosophy of Education for the Crisis in Democracy 
1968, The Structure of Evil: An Essay on the Unification of the Science of Man 
1969, Angel in Armor: A Post-Freudian Perspetive on the Nature of Man 
1971, The Lost Science of Man 
1971, A Birth and Death of Meaning: An Interdisciplinary Perspetive on theScience of Man 
1975, Escape From Hell

Ernst Becker. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-06-25].
Disponível na www: .



Obrigado pela visita, e volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Igreja Comunista

Obrigado pela visita, volte sempre.