Think-tanks para combater a revolução social

ESCRITO POR KLAUBER CRISTOFEN PIRES | 12 AGOSTO 2011 
ARTIGOS - CULTURA


Estamos diante de uma sociedade transformada, ainda que embora em aparência não demonstre a truculência dos regimes totalitários nazista, fascista ou socialista. Todavia, isto é só uma questão de tempo: mais cedo ou mais tarde o porrete esquenta.
Chamo a atenção para dois pronunciamentos bastante oportunos do filósofo Olavo de Carvalho: primeiramente, sobre as características primordiais da revolução social, e em seguida, sobre a necessidade de constituirmos "think tanks". 
Uma revolução social consolida-se quando os meios de conquista e permanência no poder se modificam. Atualmente, estes meios emulam os dos regimes nazi-fascistas: Qualquer forma de expressão jornalística, intelectual, religiosa, literária e artística; qualquer forma de procedimento realizado por servidores públicos, promotores, advogados e juízes; e qualquer forma de atividade econômica só são tolerados quando funcionam em consonância com os ditames do partido, ou em escala mais ampla, da ideologia que lhe fornece o oxigênio.
Jamais os arrozeiros do estado de Roraima seriam expulsos (sim, eles foram "expropriados", e não meramente desapropriados!) e jamais o STF teria julgado a favor da união civil homossexual se não houvesse todo um esquema que os envolvesse por completo. 
Atualmente, no Brasil, a rigor, nenhum grande grupo econômico tem condições plenas de se manter no mercado se não pedir as bençãos dos donos do poder e rezar por sua cartilha. Quem duvida disto, que se recorde da intervenção branca que o governo impôs à companhia Vale, fazendo valer a sua vontade de mudar o presidente.
Já os apadrinhados recebem as gordas fatias das concessões, das licitações públicas, das grandes obras, dos subsídios ou empréstimos diferenciados ou quando o menos, da informação privilegiada. Como muito bem lembrado pelo jornalista Diogo Mainardi, em certa apresentação do programa Manhattan Connection, os grandes empresários do mundo todo são mundialmente conhecidos pelas áreas em que atuam, graças ao seu espírito dinâmico e empreendedor: Todos sabemos quem é Bill Gates e quem foi Henry Ford, e a que atividades econômicas eles estão ligados. Mas quem são os grandes empresários brasileiros, para quem todos os holofotes se dirigem? A rigor, são aqueles que se enriquecem a partir da estrita simbiose com o governo. 
Há quem venha a argumentar que isto foi sempre mais ou menos assim no Brasil. Isto é lá discutível. Entretanto, fenômenos restritos a uma certa esfera delimitada não preenchem o requisito essencial para a caracterização de uma mudança geral na estrutura da sociedade, ou de falando de forma mais escancarada, de uma revolução social. Esta acontece quando se espalha pela pirâmide social, do cimo até a base, de modo que mesmo as vidas das pessoas da classe média e pobre jazem subjugadas. Agora sim a coisa ficou feia!
Quando um mero jornalista ou professor não conseguem emprego em lugar nenhum pelo fato de manterem uma postura dissidente, estamos diante de uma sociedade transformada, ainda que embora em aparência não demonstre a truculência dos regimes totalitários nazista, fascista ou socialista. Todavia, isto é só uma questão de tempo: mais cedo ou mais tarde o porrete esquenta. Com advogados não é diferente: o Direito não é uma ciência exata, óbvio. Então, uma prova elaborada por uma entidade que controla toda a atividade advocatícia como requisito obrigatório para o exercício de uma profissão cujos conhecimentos foram adquiridos em meio regular de ensino e já chancelados pelo estado pode se constituir em um excelente funil ideológico. Basta para isto que seus dirigentes assim ajam de mútuo acordo. A partir daí, teremos uma verdadeira fábrica de agentes de transformação social.
Certa vez, eu li um depoimento de um cidadão sueco, que lamentava que em sua empresa ninguém ascendia a cargos mais altos por meio de mérito, esforço e dedicação, mas sim por seus talentos políticos. É isto o que já está acontecendo no Brasil. Se você é bancário, vai morrer como caixa, porque os níveis de gerência e direção, nesta atividade que funciona enxertada ao estado, estão reservados para aqueles dispostos a cumprir o programa ideológico do governo. Mais vale um gerente que autoriza empréstimos de risco aos indicados pelos políticos no poder do que o funcionário zeloso e criterioso que analisa a operação segundo as tendências do mercado.
Há algum tempo atrás minha esposa participou de um concurso público cuja vaga, soubemos, foi criada justamente com vistas a dar emprego a um outro alguém previamente escolhido. Adivinhem quem o venceu?
No Pará, destaco especialmente a figura de Leonardo Bruno, advogado, e como eu, blogueiro e colunista do site Mídia sem Máscara, que apesar de sua imensa cultura e fluência como orador, não tem conseguido realizar o seu maior sonho, que é o de trabalhar como professor, tendo-lhe sido fechadas as portas de todas as instituições de ensino particulares (ele não quer trabalhar em instituições públicas), mesmo notoriamente sendo dono de um conhecimento muito superior aos que lhe têm passado à sua frente.
Mesmo a classe pobre tem de ajoelhar-se diante da hegemonia ideológica: por exemplo, um pedreiro, um estivador ou caminhoneiro pode ou não conseguir trabalho dependendo do seu nível de amizade com o sindicato a que pertence. Em recente reportagem exibida pelo programa Fantástico, da Rede Globo, ficou muito claro como os beneficiados por lotes de terra não esqueciam de pagar seus dízimos aos sindicatos e associações de trabalhadores rurais. 
Quando, de qualquer forma, expressa ou tácita, legal ou informal, alguém tem de pagar a um grupo corporativista ou obedecer aos seus ditames para que possa desempenhar uma atividade que é naturalmente lícita, então estamos diante de uma sociedade essencialmente mafiosa. 
Você, que lê este artigo, pode hoje estar numa situação confortável. Neste caso, de algum modo, você participa do Esquema, ou trabalha para quem participa, de tal modo que não vê motivo para que as coisas mudem. Por outro lado, você pode estar enfrentando algum nível de dificuldade em sua vida, porém teme manifestar-se com o razoável receio de sofrer represálias. 
Seja em qualquer situação, eu pergunto: você tem filhos? Se você tem filhos, crê piamente que uma sociedade em que os critérios para se progredir na vida não são os mais transparentes vá sempre beneficiar a sua linhagem? Quem lhe garante que o amanhã não será a vez do filho do seu maior rival ou inimigo? E você, que está quieto no seu canto: crê mesmo que sua indolência fará com que as coisas mudem para melhor no futuro? 
Portanto, todos nós temos à frente o risco de sermos despejados de nossas atividades por critérios nada honestos, objetivos e previsíveis. Este é o mundo das sombras, que está ali, a poucos passos do rumo que estamos tomando. Como bem lembrado pelo filósofo Olavo de Carvalho, você poderá até mesmo ser um juiz, mas assim mesmo correrá o risco de ser demitido, preso ou na melhor das hipóteses, congelado num canto, humilhado e isolado dos seus pares.
A única estrada possível para invertermos este desastre social está na conscientização da sociedade pela diminuição da influência do estado e pela valorização das liberdades individuais e da livre iniciativa. 
Para tanto, é necessário que os cidadãos, especialmente os empresários, se dêem conta que é necessário investir em formação de opinião. Investir, aqui, no seu sentido mais explícito: precisam gastar dinheiro, precisam patrocinar a fundo perdido, e não somente em função de objetivos mais concretos e imediatos. 
No Brasil, em todas as regiões e em um número significativo de estados, já há um número embrionário de pessoas que têm se dedicado com afinco a estudar estes problemas e oferecer soluções, entre as quais peço licença para dizer que eu mesmo me incluo. São cidadãos íntegros, que há anos estão comprometidos com o que têm feito, mesmo sem ter recebido até hoje nenhuma forma de apoio; aliás, amiúde têm se exposto a perigos e ameaças.
Já está na hora destas pessoas serem valorizadas. Com o devido patrocínio, haveremos de produzir com muito mais resultado, e de espalhar a nossa mensagem com muito maior velocidade. E isto pode custar menos do que colaborar com o Criança-Esperança.



Obrigado pela visita, e volte sempre.

  pegue a sua no TemplatesdaLua.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Escala RASS Agitação e Sedação

A FARSA DA INDÚSTRIA DE AUTO-AJUDA