segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Anartha-Nivritti: A Mitigação de Todas as Impurezas

Anartha-Nivritti: A Mitigação de Todas as Impurezas

(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)
Srila Visvanatha Chakravarti Thakura

Uma análise completa, científica e meticulosa da limpeza do coração através do processo de bhakti-yoga.

O Bhakti-rasamrita-sindhu 1.4.15-16 descreve a progressão vivida da fé até o amor a Deus como dividida nos seguintes nove estágios: “No começo, deve-se ter um desejo preliminar para a autorrealização, ou fé (sraddha). Com isso, o indivíduo se sentirá inclinado a associar-se com pessoas espiritualmente elevadas (sadhu-sanga). Na fase seguinte, ele é iniciado pelo mestre espiritual elevado e, sob sua instrução, o devoto neófito começa o processo do serviço devocional (bhajana-kriya). Através da execução do serviço devocional sob a orientação do mestre espiritual, ele se livra de todo o apego material (anartha-nivritti), alcança constância na autorrealização (nistha) e adquire gosto por ouvir sobre a Personalidade de Deus, Sri Krishna (ruchi). Esse gosto continua propiciando o seu avanço, e ele, então, desenvolve apego à consciência de Krishna (asakti), que, ao amadurecer, manifesta-se como bhava, ou a fase preliminar do amor transcendental a Deus. O verdadeiro amor a Deus chama-se prema, e é a mais elevada etapa de perfeição da vida”. Este artigo, originalmente parte da obra Madhurya Kadambini, de Srila Visvanatha Chakravarti, analisará o estágio de anartha-nivritti, a mitigação de todas as impurezas.
As Quatro Divisões de Anarthas
Os anarthas podem ser qualificados em quatro categorias, de acordo com sua origem: (1)duskritotthaanarthas oriundos de atividades pecaminosas; (2) sukritotthaanarthas oriundos de atividades piedosas; (3) aparadhotthaanarthas oriundos de ofensas, e (4) bhaktyutthaanarthasoriundos do serviço devocional.
Os Anarthas Provenientes de Atividades Pecaminosas e Piedosas
Os anarthas cuja origem são as atividades pecaminosas e piedosas enquadram-se na categoria dos cinco kleshas. O significado literal de klesha é aflição; aqui, no entanto, o significado deve ser aceito como “as causas da aflição”. Esses kleshas são a causa das atividades pecaminosas e piedosas, que resultam em infortúnio e boa fortuna materiais. (1) Avidya, ignorância: considerar permanente o que é impermanente, considerar bem-aventurado aquilo que é repleto de miséria, considerar puro o que é impuro, e considerar o eu o que não é o eu; (2) asmita, falso ego: a identificação corpórea de “eu” e “meu” e a aceitação unicamente da percepção sensorial direta como real; (3) raga, apego material: o desejo por felicidade material e o anseio pelos meios para sua obtenção; (4) dvesha, aversão material: repulsa pela infelicidade e pelas causas da mesma; (5) abhinivesha: absorção no corpo como a base para a gratificação sensorial e medo da morte.
O que É Ofensa ao Santo Nome e o que Não É Ofensa ao Santo Nome
Anarthas que surgem de ofensas (aparadhottha-anarthas) são aqueles provenientes de nama-aparadhas, ou ofensas contra o santo nome, e não incluem seva-aparadhas, ofensas como entrar no templo em um palanquim, calçado e assim por diante. Os mestres espirituais exemplares discerniram que sevaaparadhas não costumam ter efeito, sendo anuladas pelo cantar do nome, pela recitação de stotras que têm o poder específico de cancelar o efeito de qualquer seva-aparadha e pelo serviço constante; desta forma, a ofensa em sua forma de semente não consegue germinar em uma reação efetiva. A despeito disso, a pessoa não deve tornar-se negligente e tirar proveito de ser protegida de todos os efeitos de seva-aparadha através das medidas mencionadas, pois fazê-lo significa que o sevaaparadha se tornou nama-aparadha, um anartha que irá, sim, obstruir seu progresso. Tal pessoa é culpada do nama-aparadha de cometer atividades pecaminosas apoiando-se na força do santo nome, namno balad yasya hi papabuddhi. A palavra nama na expressão nama-aparadha é usada para indicar todos os seguimentos, ou angas, de bhakti que destroem pecados (papa) e ofensas (aparadha), dos quais o cantar do santo nome é o principal. Mesmo de acordo com os dharma-shastras, as escrituras que lidam com os códigos do karma, ninguém deve pecar sabendo que pode ser eximido da reação mediante prayaschitta, isto é, mediante medidas expiatórias remediadoras. Nesses casos, o efeito dos pecados não será destruído, senão que, ao contrário, será intensificado. Essa que é a sétima ofensa ao santo nome é considerada como gravíssima.
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)1
Seva-aparadhas não costumam ter efeito, sendo anuladas pelo cantar do nome, recitação de stotras específicos e pelo serviço constante.
Por outro lado, o Senhor Supremo declara em diferentes escrituras que alguém que tenta servi-lO, mesmo que fracasse em algum âmbito, não deve preocupar-se com isso, haja vista que o serviço do devoto, independente de quão imperfeito possa ser, jamais se perde ou é em vão. No Srimad-Bhagavatam (11.29.20), por exemplo, o Senhor afirma:
na hy angopakrame dhvamso
mad-dharmasyoddhavanv api
maya vyavasitah samyan
nirgunatvad anasisah
“Ó Uddhava, porque Eu pessoalmente o estabeleci, este caminho do serviço devocional é transcendente e livre de qualquer contaminação material. Certamente um devoto jamais sofre nem mesmo a menor perda por adotar este caminho”.
Outra declaração relevante é a seguinte:
dasarno ‘yam japa-matrena siddhidah
“Simplesmente por recitar este mantra de dez sílabas [gopijana-vallabhaya svaha], ele concederá a perfeição”.
Neste ponto, alguém talvez pergunte se a não conclusão ou não observação de algum dos angas debhakti se enquadra na categoria de nama-aparadha. A resposta é um categórico “não”. Pecar apoiando-se na força do cantar significa que a pessoa comete a atividade pecaminosa deliberadamente contando que, posteriormente, o poder das atividades devocionais dará cabo dos efeitos negativos de tal pecado. A definição de pecado (papa), por sua vez, é “ações condenadas pelas escrituras e que requerem medidas remediadoras”.
Alguém talvez se veja incapaz de alcançar sua meta espiritual e talvez caia pelo forte hábito que traz consigo de cometer pecados ou, então, por descuido. É interessante notar que, quando a pessoa não consegue lograr a meta no caminho de karma-yoga, as escrituras a condenam fortemente; quando alguém, por outro lado, fracassa na obtenção da meta do serviço devocional, as escrituras não reagem da mesma maneira. O Srimad-Bhagavatam 11.2.34-35, por exemplo, declara:
ye vai bhagavata prokta
upaya hy atma-labdhaye
anjah pumsam avidusam
viddhi bhagavatan hi tan

yan asthaya naro rajan
na pramadyeta karhicit
dhavan nimilya va netre
na skhalen na pated iha
“Mesmo entidades vivas ignorantes podem muito facilmente conhecer o Senhor Supremo caso adotem aqueles meios prescritos pelo próprio Senhor Supremo. O processo recomendado pelo Senhor é conhecido como bhagavata-dharma, ou serviço devocional à Suprema Personalidade de Deus. Ó rei, aquele que aceite esse processo do serviço devocional à Suprema Personalidade de Deus jamais cambaleará em seu caminho neste mundo. Mesmo enquanto corre de olhos fechados, ele jamais tropeçará ou cairá”.
Aqui, a palavra nimilya, “fechar os olhos”, significa que a pessoa tem olhos – ela não é cega –, mas os fechou. A palavra dhavan significa proceder rapidamente com passos largos, maiores do que o comum. Esses são os significados diretos. Esse verso se refere a alguém que se refugiou no serviço devocional, no bhagavata-dharma, e está praticando seus angas principais. O significado é que tal pessoa não sofre nenhuma perda de resultados, nem é privada da meta, mesmo se negligencie a observação dos angas secundários como se não os conhecesse, embora, sim, os conheça.
Fechar os olhos não significa ignorância das escrituras – o sruti e o smriti são considerados os dois olhos das pessoas –, pois isso contradiria o significado direto. Deve-se considerar cuidadosamente o significado de fechar os olhos e correr, isto é, intencionalmente negligenciar alguns dos angas debhakti e avidamente buscar pela meta. Quaisquer ações resultantes desse modo de progresso não permitem que o devoto cometa algum dos trinta e dois seva-aparadhas. Insiste-se, entretanto, que ninguém deve cometer intencionalmente algum seva-aparadha aproveitando-se do que declara, por exemplo, o verso do Srimad-Bhagavatam supracitado; as escrituras se referem a quem faz isso como um animal de duas pernas: harer apy aparadhan bah kuryad dvipada-pamsanah.
Como Neutralizar as Ofensas
Aquele que cometeu ofensas desintencionais ao santo nome, quer antigamente, quer recentemente, saberá que o fez pelo sintoma da falta de avanço. Para se livrar de tais ofensas desintencionais, o devoto deve cantar o santo nome constantemente, até que seja conduzido à inabalável fé no serviço devocional. O cantar constante decerto reduzirá gradualmente os efeitos de tal categoria de ofensa; caso as ofensas tenham sido cometidas com deliberação prévia, então medidas especiais são recomendadas para a neutralização das mesmas.
A Blasfêmia a um Santo e a Desobediência ao Mestre Espiritual
Agora discutiremos as dez ofensas contra o santo nome. A primeira ofensa é sadhu-ninda, a crítica ou a blasfêmia aos devotos. Blasfêmia, neste contexto, significa invejar os devotos santos, ou ser antagonista a eles. Se alguém, mesmo acidentalmente, comete esta ofensa contra um vaishnava, ele deve arrepender-se amargamente de seu comportamento baixo. Assim como se neutraliza veneno com veneno, o ofensor, tendo incendiado sua vida espiritual com a blasfêmia, deve se purificar no fogo do arrependimento.
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)2
Se alguém, mesmo acidentalmente, comete uma ofensa contra um vaishnava, ele deve arrepender-se amargamente.
O ofensor deve ir até o devoto que injuriou, cair aos seus pés e pedir-lhe perdão até que ele novamente seja capaz de agradar aquele vaishnava. Ele deve aproximar-se do devoto com o coração trépido e considerando que, mediante súplica, louvor, repetida oferta de reverências ou qualquer outro meio, ele tem que satisfazer o devoto ofendido. Contudo, caso, por alguma razão, ele seja incapaz de abrandar o devoto, então o ofensor deve continuar a servi-lo por muitos dias de modo a impressioná-lo e satisfazê-lo. Na hipótese da ofensa ser de tamanha seriedade que a ira dovaishnava permaneça irredutível, o ofensor deve condenar-se fortemente por sua ação abominável e pensar: “Oh! Que vergonhoso! Que infortúnio! Blasfemei um vaishnava e, em razão disso, sofrerei por milhões de anos no fogo infernal!” Nesse remorso extremo, ele deve abandonar tudo e refugiar-se inteiramente no cantar contínuo do santo nome, tendo em tal prática sua única esperança. No devido tempo, o ofensor se verá livre de sua ofensa.
O santo nome de Krishna, sendo todo-poderoso, certamente pode absolver qualquer ofensa, independente de quão séria seja. Devido a isso, o ofensor talvez pense incorretamente: “Se encontramos, por exemplo, a seguinte declaração nas escrituras, namaparadhayuktanam namanyeva harantyagham: ‘O mero santo nome é suficiente para libertar um ofensor’, por que, então, eu deveria cair aos pés do vaishnava de maneira tão humilde e até aviltante? Eu certamente me livrarei do nama-aparadha simplesmente pelo próprio cantar”. Tal mentalidade apenas o envolve ainda mais em nama-aparadha, especificamente na já mencionada ofensa de cometer atividades pecaminosas apoiando-se na força do cantar do santo nome.
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)3
O cuidado de não ofender os vaishnavas não se refere apenas a vaishnavas puros.
Outro erro que não deve ser cometido é a mentalidade de pensar que a ofensa de sadhu-nindadiscrimina entre tipos de vaishnavas. Ela não se refere exclusivamente a alguém que é plena e perfeitamente qualificado com todas as qualidades mencionadas nas escrituras, como aquelas mencionadas no Srimad-Bhagavatam 11.11.29:
krpalur akrta-drohastitiksuh sarva-dehinam
“[Uma pessoa santa] é misericordiosa e jamais injuria outrem. Mesmo se outros lhe são agressivos, ela é tolerante e perdoa todas as entidades vivas”.
A pessoa não pode minimizar sua ofensa apontando defeitos no devoto objeto da ofensa. Em resposta a essa postura equivocada, as escrituras dizem:
sarvacara vivarjitah sathadhiya vratya jagadvancakah
“Mesmo se o indivíduo tiver um caráter ruim, for traidor, destituído de boa conduta, malicioso, não tiver se submetido às cerimônias reformatórias e for repleto de desejos materiais, ele deve ser considerado sadhu, ou santo, caso tenha se rendido ao Senhor”. (Padma PuranaBrahma-khanda 25.9-10)
Semelhante categoria de devoto supracitado não deve ser criticado por seu passado, independente de quão terrível possa ser, e não se deve impedir que seja aceito como vaishnava, tampouco sua devoção deve ser objeto de questionamento.
As escrituras declaram que, se um maha-bhagavata, ou devoto puro, é o ofendido, ele simplesmente ignora todo o episódio em virtude de ser possuidor de imensa compaixão; assim, ele não identifica o comportamento como uma ofensa. No que diz respeito ao culpado, ele deve cair aos pés do santo e implorar perdão a fim de que seu coração se purifique. Aprendemos a partir das escrituras e das pessoas santas que, mesmo se o maha-bhagavata tolera naturalmente a blasfêmia do homem tolo, seus seguidores, situados na poeira de seus pés, não o farão, senão que irão puni-lo desejando que sofra apropriadamente por sua ofensa:
sersyam mahapurusa-pada-pamsubhir
nirasta-tejahsu tad eva sobhanam
“Aqueles que invejam santos elevados são certamente diminuídos pela poeira de seus pés de lótus”. (Srimad-Bhagavatam 4.4.13)
As regras convencionais, entretanto, não podem ser aplicadas aos devotos puros, incorruptíveis, mais elevados e de pensamento independente, visto que esses às vezes outorgam inenarráveis misericórdias mesmo aos ofensores mais indignos. Jada Bharata, por exemplo, muito embora tenha sido forçado a carregar o palanquim do rei Rahugana e tenha se tornado o objeto de suas palavras ásperas, outorgou-lhe sua misericórdia. Em outro episódio, o vasu Uparichara, o rei de Cedi, derramou sua misericórdia sobre os ateístas e heréticos daityas, muito embora eles houvessem ido até ele com o intuito de atacá-lo. Similarmente, Sri Nityananda mostrou misericórdia para com Madhai, muito embora este houvesse agredido Sua cabeça de forma tão violenta que a fizera sangrar.
A terceira ofensa, guror avajna, a ofensa de desrespeitar o mestre espiritual ou desobedecer-lhe, pode ser considerada da mesma maneira que esta primeira, aplicando a ela os mesmos princípios.
Vishnu, Shiva e as Entidades Vivas Atômicas
Continuaremos agora nossa discussão explicando as diferenças entre o Senhor Vishnu e o senhor Shiva. Os seres conscientes (chaitanya) se dividem em duas categorias: (1) aqueles independentes e (2) aqueles dependentes. O ser independente é o Senhor onipenetrante (isvara), e os seres dependentes são as partículas de consciência (jivas), energias subordinadas ao Senhor, as quais permeiam apenas corpos individuais. Aqueles de consciência suprema (isvara chaitanya) ainda se dividem em duas classes: (1.a) aqueles que não são de modo algum tocados pela potência ilusória, a jurisdição de maya, e (1.b) aqueles que voluntariamente aceitam a influência de maya para executarem afazeres universais.
O primeiro tipo de isvara é tratado por nomes como Narayana, Hari e assim por diante.
harir hi nirgunah saksat purusah prakrteh parah
“Hari é aquele que é diretamente livre dos modos da ignorância, da paixão e da bondade, o Senhor transcendental à natureza material”. (Srimad-Bhagavatam 10.88.5)
O senhor Shiva pertence à segunda categoria de isvara.
sivah sakti-yutah sasvat tri-lingo guna-samvrtah
“O senhor Shiva está sempre unido à sua energia pessoal, a natureza material, e manifesta-se em três aspectos em resposta às solicitações dos três modos da natureza”. (Srimad-Bhagavatam 10.88.3)
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)4
Deve-se buscar entender Brahma, Vishnu e Shiva com devotos esclarecidos, possuidores de profundo conhecimento do assunto.
Contudo, muito embora seja coberto pelos modos materiais, não se deve pensar erroneamente que o senhor Shiva está na categoria de jiva, ou alma espiritual diminuta, haja vista que a Brahma-samhita (5.45) afirma:
ksiram yatha dadhi vikara-visesa-yogat
sanjayate na hi tatah prthag asti hetoh
yah sambhutam api tatha samupaiti karyad
govindam adi-purusam tam aham bhajami
“Assim como o leite é transformado em coalhada pela ação de ácidos, e, ainda assim, o coalho produzido não é nem igual nem diferente de sua causa, a saber, o leite; adoro o primordial Senhor Govinda [Krishna], de quem o estado de Sambhu [Shiva] é uma transformação para a execução do trabalho de destruição”.
Nos Puranas e Agamas, o senhor Shiva é glorificado como isvara. No Srimad-Bhagavatam 1.2.23, por exemplo, afirma-se:
sattvam rajas tama iti prakrter gunas tair
yuktah parah purusa eka ihasya dhatte
sthity-adaye hari-virinci-hareti samjnah
sreyamsi tatra khalu sattva-tanor nrnam syuh
“A transcendental Personalidade de Deus associa-Se indiretamente com os três modos da natureza material, a saber, bondade, paixão e ignorância, e, unicamente para a criação, a manutenção e a destruição do mundo, Ele aceita as três formas qualitativas de Brahma, Vishnu e Shiva. Das três, todos os seres humanos podem derivar o benefício último de Vishnu”.
A partir desse verso, é possível a compreensão de que Brahma também é considerado isvara. Entretanto, a posição de Brahma como isvara, ou senhor, deve ser entendida como um poder investido em um jiva pelo Senhor Supremo (isvara-avesha), o que é confirmado na Brahma-Samhita 5.49:
bhasvan yathasma-sakalesu nijesu tejah
sviyam kiyat prakatayaty api tadvad atra
brahma ya esa jagad-anda-vidhana-karta
govindam adi-purusam tam aham bhajami
“Adoro o primordial Senhor Govinda, de quem a subjetiva porção separada Brahma recebe seu poder para a regulação do mundo laical, assim como o Sol manifesta alguma porção de sua própria luz em todas as joias refulgentes, cujos nomes são suryakanta etc.”
Srimad-Bhagavatam 1.2.24 afirma:
parthivad daruno dhumastasmad agnis trayimayah
tamasas tu rajas tasmat
sattvam yad brahma-darsanam
“A lenha é uma transformação da terra, mas a fumaça é melhor do que a lenha. O fogo é ainda melhor, pois, através dele, podemos executar yajna, ou sacrifício. Similarmente, a paixão (rajas) é melhor do que a ignorância (tamas), mas a bondade (sattva) é melhor, dado que, através dela, pode-se realizar a Verdade”.
Conquanto o modo da paixão seja superior à ignorância; assim como na fumaça não se pode perceber o fogo, no fumarento modo da paixão, a refulgência ígnea do Senhor não pode ser percebida. No modo da bondade, que se compara a um fogo sacrificial plenamente aceso, pode-se perceber a refulgência pura do Senhor quase como mediante a realização direta. Assim como o fogo, embora presente na lenha, não pode ser percebido; no modo da ignorância, muitíssimo embora o Senhor esteja presente, Ele não é diretamente perceptível, assim como, mesmo no sono profundo e livre de sonhos (susupti), característica do modo da ignorância, a pessoa experiencia uma felicidade não-diferenciada similar àquela experienciada pelos monistas (nirbheda-jnana-sukha).
Analisando os aforismos das escrituras e derivando deles a conclusão correta sobre as posições constitucionais (tattvas), ninguém se confundirá.
Agora, discutiremos o jiva, os seres conscientes dependentes. A posição do jiva é de servidão amorosa eterna à Suprema Personalidade de Deus. Eles se dividem, em primeira instância, em duas categorias: (2.a) aqueles sob o encanto da ilusão e da necedade, como os semideuses, os humanos, os animais e seres inferiores, e (2.b) aqueles livres da ilusão e da necedade, os quais se dividem, novamente, em duas categorias: (2.b.a) aqueles sob a influência da aisvarya-shakti do Senhor, Sua potência de opulência e reverência, e (2.b.b) aqueles não influenciados pela aisvarya-shakti. Os jivasinfluenciados pela aisvarya-shakti do Senhor se subdividem em dois grandes grupos: (2.b.a.a) aqueles absortos no jnana pertencente à esfera espiritual, como os quatro Kumaras, e (2.b.a.b) aqueles absortos no aspecto inspirador de reverência da criação cósmica, os quais são bem representados pelo senhor Brahma. Os jivas não influenciados pela aisvarya-shakti do Senhor também se subdividem em dois grandes grupos: (2.b.b.a) aqueles praticando jnana a fim de se fundirem com o Senhor – uma condição lamentável –, e (2.b.b.b) aqueles que praticam atividades devocionais de forma não espontânea (sadhana-bhakti) e sem o desejo de se fundirem no Senhor – uma condição não lamentável.
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)5
Os jivas que buscam tornarem-se unos com o Senhor estão em uma situação perigosa, suicida.
Os jivas que buscam tornarem-se unos com o Senhor estão em uma situação perigosa, suicida, porque, ao contrário daqueles que observam atividades devocionais mecânicas, eles não podem desfrutar uma relação mais doce e íntima com o Senhor Supremo.
Um devoto livre de motivação material (niskama) deve discernir quem é digno de adoração ou não com base em quem é nirguna e quem é saguna, ou seja, quem é livre de qualidades materiais, Vishnu, e quem é tocado pelas qualidades materiais, Shiva, Brahma etc. Sendo diferentes tipos de consciência, respectivamente jiva e isvara, Brahma e Vishnu são completamente distintos. Algumas vezes, porém, Brahma e Vishnu são descritos como idênticos nos Puranas. Esse tipo de declaração deve ser entendida, entretanto, pelo exemplo do Sol, representando Vishnu, e da joia suryakanta, representando Brahma, a qual é investida com a luz solar. Suryakanta é como uma lente de aumento que se vale dos raios do Sol e manifesta o calor do Sol para queimar papel e para outros fins. Unicamente nesse sentido Brahma é considerado indistinto de Vishnu. Em alguns maha-kalpas, mesmo Shiva é um jiva como Brahma, isto é, um jiva investido de poder pelo Senhor Supremo:
kvacij java visesatvam harasyoktam vidher iva
“Como no caso de Brahma, às vezes um jiva em particular adota o papel de Shiva”. Às vezes, portanto, Shiva é classificado com Brahma em declarações como:
yas tu narayanam devambrahma rudradi daivataih
samatvenaiva manyeta
sa pasandi bhaved dhruvam
“Alguém que considera Narayana como na mesma categoria que Brahma, Shiva e outros semideuses é um tolo ignóbil”. (Hari-bhakti-vilasa 1.730)
É certo que a base desta injunção escritural repousa no fato de que, enquanto o senhor Brahma é, em geral, um jiva dotado de poder, o senhor Shiva, às vezes, também o é. Pessoas que não pesquisaram meticulosamente o assunto acabam formando suas próprias conclusões especulativas e tecem comentários do tipo: “Vishnu, sim, é Deus, e não Shiva”, ou “o senhor Shiva é o supremo, e não o Senhor Vishnu”. Eles continuam alegando: “Somos indesviáveis devotos do Senhor Vishnu; não nos importamos com o senhor Shiva”, e vice-versa. Movidos por sua inclinação a polêmicas, tais indivíduos se envolvem em tais discussões e cometem nama-aparadha. Caso esses ofensores possam ser esclarecidos por um devoto com profundo conhecimento do assunto, poderão compreender de que maneira Shiva e Vishnu são indistintos um do outro. Essa compreensão oriunda do devoto entendido, somada a sincero arrependimento da ofensa pretérita e somada também ao cantar do santo nome do Senhor, anula, por fim, a ofensa.
A Ofensa do Desrespeito aos Vedas
Sruti-shastra-ninda é a quarta ofensa e consiste no desrespeito às escrituras srutis, os Vedas, em decorrência do pensamento de que não mencionam nada acerca de bhakti e que, portanto, são glorificáveis e apreciáveis unicamente por pessoas de mentalidade mundana. Aquele que comete esta ofensa se vê livre da mesma quando tem a boa fortuna de compreender apropriadamente o assunto entrando em contato com um devoto entendido. A resposta para o questionamento de por que não deveríamos criticar essas partes da literatura revelada que propõem o processo do conhecimento empírico e da ação fruitiva é que os srutis muito misericordiosamente ajudam as pessoas mais desqualificadas, que não estão seguindo nenhuma regra ou regulação védica e que estão cegas pelos desejos materiais, a se elevarem ao caminho do serviço devocional seguindo suas leis divinas. O meio para neutralização desta ofensa – além do já mencionado contato com um devoto que possa ensinar o ofensor a admirar as escrituras védicas pela compaixão das mesmas em remover as pessoas de pravritti-marga, o caminho da mentalidade mundana, e em conduzi-las para o caminho de nivritti-marga, o caminho do desapego – é a glorificação apropriada dessas escrituras e de seus praticantes e a observação do cantar do santo nome.
As Demais Ofensas ao Santo Nome
Desta maneira, discutimos a causa geral das ofensas ao santo nome e o modo como são neutralizadas. O devoto deve considerar cada uma delas nestes moldes.
Os Anarthas Provenientes de Bhakti
Assim como, juntamente com uma planta principal, muitas ervas daninhas crescem; através do cultivo de bhakti, surge o que, às vezes, pode ser equivocadamente entendido como brotos da trepadeira de bhakti, mas que não o são de fato – são desejos mundanos por adoração e respeito por parte de outros, aceitação de posições confortáveis, fama e assim por diante.
Tudo isso macula a consciência do praticante. Vicejando desta maneira, esses anarthas oriundos da bhakti-yoga impedem o crescimento da trepadeira cujo cultivo, sim, é de interesse: a trepadeira do amor a Deus.
Os Cinco Estágios da Revogação dos Anarthas
Os quatro tipos de anarthas mencionados no começo deste capítulo podem ser mitigados (nivritti) em cinco diferentes intensidades: (1) eka-desavarttini, parcialmente; (2) bahu-desavarttini, substancialmente; (3) prayiki, quase completamente; (4) purna, completamente, e (5) atyantiki, absolutamente. No atinente aos anarthas provenientes de ofensas, imediatamente após o começo da execução de atividades devocionais, bhajana-kriya, ocorre a destruição deles, mas de maneira limitada (eka-desavarttini), assim como, quando dizemos que uma torre foi queimada ou que um tecido foi rasgado, podemos entender que a torre ainda existe e que os pedaços de pano também continuam a existir. Quando bhajana-kriya ganha maturidade, passa a ser nistha, ou execução estável das atividades devocionais. Nesse estágio de desenvolvimento, a mitigação dos anarthas oriundos de ofensas é substancial (bahu-desavarttini). Então, na plataforma de rati, ou bhava, os aparadhotthas no coração são quase completamente absolvidos (prayiki). Com o primeiro despertar de prema, o amor divino, esses anarthas são completamente removidos (purna). Finalmente, são absolutamente desarraigados (atyantiki) quando o devoto obtém a misericórdia e a associação dos pés de lótus do Senhor, momento este a partir do qual não há qualquer possibilidade de que se manifestem novamente.
Passatempos Escriturais com Aparentes Quedas de Devotos Puros
Com a afirmação de que, após o logramento dos pés de lótus do Senhor, é impossível o surgimento de anarthas, alguém talvez pergunte: “Como pôde Chitraketu ser culpado de ter cometido uma enorme ofensa contra o senhor Shiva, tendo em conta que ele tivera uma audiência pessoal com o Senhor Supremo?” No caso de Chitraketu, sua acidental ofensa ao senhor Shiva foi alegórica, não real, o que pode ser entendido pelo fato de que não houve nenhuma mudança em seu amor puro após ter sido amaldiçoado, ou seja, tanto antes da maldição como após assumir a forma do demônio Vritrasura, seu tesouro de prema-bhakti era evidente. O que é de grande significância é que, posteriormente, Chitraketu tornou-se um associado eterno do Senhor Supremo, o que foi o verdadeiro efeito da maldição sobre ele que era um devoto puro.
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)6
Após o logramento dos pés de lótus do Senhor, é impossível o surgimento de anarthas.
Outro incidente relatado no Srimad-Bhagavatam é aquele em que Jaya e Vijaya ofendem os quatro Kumaras. As escrituras alegam que a razão para seu ato deliberadamente ofensivo foi porque seu prema, seu amor pelo Senhor, motivou-os assim. Com efeito, Jaya e Vijaya oraram ao Senhor pedindo por tal situação: “Meu querido Senhor Narayana, ó mestre dos semideuses, temos razões para acreditar que desejais lutar, mas não vemos um oponente apropriado para Vós. Todos aqueles disponíveis são excessivamente fracos. Embora sejamos fortes, não temos inimizade para conVosco. De um modo ou de outro, tornai-nos Vosso inimigo e realizai Vosso desejo de lutar. Nós, como Vossos servos fiéis, não podemos tolerar nenhuma carência em Vossa satisfação. Diminuí Vossa qualidade de afeição por Vossos devotos e satisfazei nossa oração”.
Caso alguém mentalmente ofenda a posição de semelhantes devotos, ele supera essa ofensa também mentalmente, estudando apropriadamente as escrituras.
Mitigação dos Anarthas Provenientes de Atividades Pecaminosas e de Bhakti
A erradicação dos anarthas oriundos de pecados pretéritos ocorre da seguinte maneira. Eles são quase completamente erradicados (prayiki) no estágio de bhajana-kriya do serviço devocional; são completamente absolvidos (purna) no estágio de estabilidade, o estágio de nome nistha, e são absolutamente destruídos, sem deixar nenhum traço (atyantiki), no estágio de asakti, o estágio de inabalável apego ao serviço devocional.
Os anarthas decorrentes de bhakti são desfeitos da seguinte maneira. Parcialmente desfeitos (eka-desavarttini) no estágio de bhajana-kriya, completamente desfeitos (purna) no estágio de nistha, e absolutamente desfeitos (atyantika) no estágio de ruchi, o estágio de saboreamento do serviço devocional.
Tudo isso foi concluído pelos sábios santos após considerável deliberação sobre o tópico.
A Ciência da Purificação Gradual é Contrária ao Poder Absoluto do Santo Nome?
Alguém talvez objete que os estágios supracitados de extinção dos anarthas não se aplicam aos devotos e cite centenas de versos, como os seguintes, por exemplo:
amhah samharad akhilam sakrdudayad eva sakala-lokasyataranir iva timira-jaladhimjayati jagan-mangalam harer nama
“Assim como o Sol nascente dissipa de imediato toda a imensamente profunda escuridão do mundo, o santo nome do Senhor, mesmo se cantado uma única vez, dissipa todas as reações da vida pecaminosa do ser vivo. Todas as glórias ao santo nome do Senhor, aquele que outorga auspiciosidade a todo o universo”. (Padyavali 16, citado em Chaitanya-charitamritaAntya-lila 3.181)
na hi bhagavann aghatitam idam
tvad-darsanan nrnam akhila-papa-ksayah
yan-nama sakrc chravanat
pukkaso ‘pi vimucyate samsarat
“Meu Senhor, não é impossível que alguém se livre imediatamente de toda contaminação material em razão de ver-Vos. Para não falar da purificação completa que decorre de ver-Vos, a mera audição de Vosso santo nome, mesmo uma única vez, é suficiente para que mesmo os chandalas, os homens da classe mais baixa, livrem-se de toda contaminação do mundo material”. (Srimad-Bhagavatam 6.16.44)
Há também o caso de Ajamila, no qual, simplesmente por proferir a sombra do nome do Senhor (nama-abhasa) uma vez, todos os seus anarthas, até avidya – a ignorância, a causa raiz do condicionamento material –, foram removidos e ele alcançou os pés de lótus do Senhor.
Tudo isso é verdade. Ninguém deve duvidar que o santo nome possui, em todos os casos, esse poder inestimável. A despeito disso, o santo nome, estando descontente com as ofensas cometidas contra ele, recolhe suas potências e não se manifesta completamente. É unicamente essa a razão pela qual tendências pecaminosas ainda persistem. Mesmo enquanto cantam o santo nome com ofensas, entretanto, tais praticantes do serviço devocional jamais são atacados pelos servos da morte, como declara o Srimad-Bhagavatam 6.1.19:
sakrn manah krsna-padaravindayor
nivesitam tad-guna-ragi yair iha
na te yamam pasa-bhrtas ca tad-bhatan
svapne ‘pi pasyanti hi cirna-niskrtah
“Embora não tenham compreendido Krishna plenamente, aqueles que, mesmo que apenas uma vez, renderam-se completamente aos Seus pés de lótus – atraídos, de alguma maneira, por Seu nome, por Sua forma, por Suas qualidades e por Seus passatempos – livraram-se inteiramente de todas as reações pecaminosas, visto que aceitaram o verdadeiro método de redenção. Nem mesmo em sonho essas pessoas veem Yama ou seus lacaios, os quais andam equipados com cordas para amarrar os pecadores”. (Srimad-Bhagavatam 6.1.19)
Yama e seus lacaios”, no verso citado, também pode significar o processo de astanga-yoga, que começa com yama e, então, prossegue com niyama e assim por diante. O significado, então, passa a ser que, para essa pessoa, inexiste a necessidade de outros métodos purificatórios.
Embora o ofensor esteja livre de Yama, o senhor da morte, yamaniyama e outras práticas não podem auxiliá-lo na extirpação dos nama-aparadhas, como declara o Padma Purana, citado no Hari-bhakti-vilasa (11.284):
namno balad yasya hi papa-buddhir
na vidyate tasya yamair hi suddhih
“Cometendo atividades pecaminosas apoiando-se na força do cantar do santo nome, a pessoa é incapaz de purificar-se mesmo que pratique por milhares de anos as regulações que começam com yamaniyama e assim por diante”.
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)7
Assim como o Sol dissipa a escuridão, o santo nome dissipa as reações da vida pecaminosa do ser vivo.
O caso do ofensor que perde a misericórdia do nome é similar a um subordinado que é ofensivo para com seu senhor imensamente rico e poderoso, e consequentemente capaz de providenciar suas necessidades. Devido à sua postura ofensiva, nega-se-lhe o devido cuidado, e ele é tratado com indiferença pelo senhor, em virtude do que empobrece e sofre de aflições de todo tipo. Deve-se entender que, quando um senhor tão capaz negligencia um servo ofensivo, ninguém mais é capaz de ajudá-lo. No entanto, caso o servo novamente volte a si, compreenda os sentimentos internos de seu senhor e, então, se empenhe em agradá-lo, o senhor gradualmente mostra-lhe misericórdia, em proporção ao que o sofrimento do ofensor em reparação é findado. Similarmente, se uma pessoa sinceramente serve os devotos, as escrituras e o mestre espiritual, isso invoca a misericórdia do santo nome, que, em reciprocidade, exonera as tendências pervertidas do devoto. Deste modo, ninguém pode argumentar contra a eliminação gradual dos anarthas.
A Existência de Ofensas se Faz Conhecer por Seus Resultados
É inaceitável que alguém clame jamais ter cometido alguma ofensa contra o santo nome, haja vista que tudo é facilmente discernível por meio de seus resultados, quer sejam resultados de ações recentes ou pretéritas. Caso alguém cante continuamente o santo nome por um longo período e, mesmo assim, os sinais do amor a Deus não se tornem manifestos, podemos entender, então, que a causa disso é a presença de nama-aparadhas, ofensas contra o santo nome. O Srimad-Bhagavatam (2.3.24) explica isso:
tad asma-saram hrdayam batedam
yad grhyamanair hari-nama-dheyaih
na vikriyetatha yada vikaro
netre jalam gatra-ruhesu harsah

“Certamente tem o coração de aço aquele que, a despeito do cantar do santo nome do Senhor com concentração, não muda seu coração, não vê seus olhos encherem-se de lágrimas, nem experimenta arrepios”.
Padma Purana (Brahma-khanda 25.14) traz a seguinte declaração:
ke te ‘paradha viprendranamno bhagavatah krtah
vinighnanti nrnam krtyam
prakrtam hy-anayanti hi
“Ó melhor dos brahmanas, quais são as ofensas contra o santo nome, as quais fazem com que a pessoa perca toda piedade e passe a projetar conceitos materiais em objetos e tópicos transcendentes?”
Em outras palavras, embora ouvir e cantar os santos nomes, as qualidades do Senhor e assim por diante outorgue prema, embora visitar lugares de peregrinação ligados aos passatempos do Senhor conceda a perfeição ao peregrino, e embora honrar regularmente as sobras alimentares do Senhor subjugue os sentidos; a natureza das ofensas contra o santo nome é tão destrutiva que, muitíssimo embora sejam completamente espirituais, essas atividades parecem mundanas para o ofensor. Por resultarem neste fenômeno, podemos entender quão sérios são os nama-aparadhas.
Assustado, alguém talvez pergunte: “O que está sendo dito é que alguém que comete nama-aparadha torna-se avesso ao Senhor e, consequentemente, é incapaz de refugiar-se no mestre espiritual e executar as atividades devocionais?” Sim. Da mesma forma que, durante uma febre intensa, tendo perdido todo apetite por alimento, uma pessoa vê-se impossibilitada de comer; uma pessoa que comete uma ofensa grave perde seu apego por ouvir, cantar e executar atividades devocionais. Não há dúvidas quanto a isso. Contudo, quando a febre, com o tempo, diminui, algum gosto por alimentos se desenvolve. Mesmo então, alimentos nutritivos, como leite e arroz, não podem fornecer plenamente seu poder de nutrição para uma pessoa sofrendo de febre crônica. Eles concedem algum benefício, mas não podem livrar a pessoa de sua condição debilitada. Porém, uma dieta associada a um medicamento pode, com o tempo, restabelecer o indivíduo em sua condição saudável original, a partir do que a potência normal do alimento pode ser utilizada pelo corpo. Analogamente, após um longo período sofrendo os efeitos de aparadha, a intensidade de tais efeitos é reduzida e o devoto desenvolve algum gosto, qualificando-se novamente para bhakti. Mediante repetidas doses de ouvir e cantar do nome do Senhor e mediante a execução de outros processos devocionais, gradualmente tudo é revelado em sua progressão natural, como descrevem os grandes santos:
adau sraddha tatah sadhu-
sango ‘tha bhajana-kriya
tato ‘nartha-nivrittih syat
tato nistha rucis tatah
athasaktis tato bhavas
tatah prema bhyudancati
sadhakanam ayam premnah
pradurbhave bhavet kramah
“No começo, deve-se ter um desejo preliminar para a autorrealização, ou fé (sraddha). Com isso, o indivíduo se sentirá inclinado a associar-se com pessoas espiritualmente elevadas (sadhu-sanga). Na fase seguinte, ele é iniciado pelo mestre espiritual elevado e, sob sua instrução, o devoto neófito começa o processo do serviço devocional (bhajana-kriya). Através da execução do serviço devocional sob a orientação do mestre espiritual, ele se livra de todo o apego material (anartha-nivritti), alcança constância na autorrealização (nistha) e adquire gosto por ouvir sobre a Personalidade de Deus, Sri Krishna (ruchi). Esse gosto continua propiciando o seu avanço, e ele, então, desenvolve apego à consciência de Krishna (asakti), que, ao amadurecer, manifesta-se como bhava, ou a fase preliminar do amor transcendental a Deus. O verdadeiro amor a Deus chama-se prema, e é a mais elevada etapa de perfeição da vida”. (Bhakti-rasamrita-sindhu 1.4.15-16)
Os Devotos Puros São Sempre Protegidos pelo Senhor
Alguns não apenas supõem a presença de nama-aparadhas em virtude da ausência dos sintomas deprema e traços de atividades pecaminosas nos devotos que estão praticando os processos devocionais, como kirtana, mas o fazem também com base na não destruição das reações deprarabdha-karmas passados, o que pressupõem devido à presença de aflições materiais ordinárias. Tal percepção, contudo, pode ser falha; o devoto pode ter tais sintomas que aparentemente indicam um cantar ofensivo embora seu cantar seja, na verdade, livre de ofensas. Ajamila, por exemplo, deu ao seu filho o nome de Narayana e chamou esse nome muitas vezes todos os dias de uma forma que se entende como sendo inofensiva. A despeito disso, ele não manifestou os sintomas de prema, além de também ter sido marcado pela inclinação pecaminosa na forma de relacionar-se com uma prostituta. Outro exemplo é o de Yudhisthira, que, tendo auferido a associação direta do Senhor Supremo, certamente estava livre das reações cármicas do passado. Malgrado isso, Yudhisthira teve de sofrer muitas adversidades materiais.
Essa conclusão filosófica pode, por fim, ser explicada pela analogia das árvores frutíferas, as quais dão fruto após certo período de tempo, não a qualquer momento, nem imediatamente após serem plantadas. Similarmente, um devoto abençoado pelo santo nome por causa de sua devoção é encharcado pela misericórdia do santo nome, mas no devido momento.
No atinente às reações pecaminosas acumuladas devido a maus hábitos do passado, nada disso tem efeito sobre o devoto, tais reações sendo como a mordida de uma serpente sem presas. Deve-se entender, por conseguinte, que as doenças, lamentações e outros sofrimentos pelos quais um devoto é submetido nada têm a ver com reações pecaminosas passadas (prarabdha). O Senhor Supremo declara:
sri-bhagavan uvaca
yasyaham anugrhnami
harisye tad-dhanam sanaih
tato ‘dhanam tyajanty asya
svajanaduhkha-duhkhitam
“Se favoreço alguém de modo especial, Eu gradualmente o privo de sua riqueza. Então, os parentes e amigos de tal homem pobre o abandonam, e, desta maneira, ele aflige-se repetidamente”. (Srimad-Bhagavatam 10.88.8)
O Senhor declara também:
nirdhanatva-maharogomad anugraha-laksanam
“A terrível aflição conhecida como pobreza é, na verdade, um sinal de misericórdia”.
Destarte, o Senhor, pensando no bem-estar de seus devotos; a fim de ampliar sua humildade e avidez pelo Senhor, concede-lhes Sua misericórdia na forma de toda sorte de sofrimentos. Deve-se saber, portanto, que o sofrimento de um devoto inofensivo não é efeito da frutificação de ações pecaminosas pretéritas.
.
.
Se gostou deste material, também gostará d
o conteúdo destas obras:
(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)8(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)9(10) (artigo - superação de obstáculos) Anartha Nivritti (6150) (rev) (ta)10










http://voltaaosupremo.com/artigos/artigos/6195-2/   Obrigado pela visita, e volte sempre
. pegue a sua no TemplatesdaLua.com
Postar um comentário

Criança de 5 anos conta sobre doutrinação e ideologia de gênero na escola

Obrigado pela visita, e volte sempre.